Revista PORT.COM - Notícias de Portugal e das Comunidades
ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Foto Discurso Direto
PORTUGAL
2018-07-05
«Apostou-se muito no combate e pouco na prevenção»

Num país em que sempre se falou demasiado de incêndios e muito pouco das florestas era imperativo ouvir quem tem responsabilidades na área e perceber, principalmente depois das tragédias do ano passado, o que se pode e se está a fazer para mudar este paradigma.

 

Uma das críticas mais incisivas que se têm feito ouvir desde a tragédia dos incêndios do ano passado é que Portugal tem uma adotado uma política florestal totalmente errada e o problema arrasta-se há décadas. Faz sentido colocar o problema assim ou neste momento já se está a trabalhar para corrigir esta situação?

Nos últimos 20 anos deu-se uma transformação acelerada nos territórios rurais, decorrente do despovoamento e do abandono de atividades agrícolas e florestais em solos marginais. Acresce que numa parte muito extensa do país, temos áreas de monocultura de espécies muito suscetíveis ao fogo (eucalipto e pinheiro) em situação de minifúndio, o que dificulta a sua gestão. Em 2006 foi criado um Sistema de Defesa de Floresta Contra Incêndios, para prevenção e combate. Na verdade, apostou-se muito no combate e pouco na prevenção. É isso que o Governo quer mudar, reequilibrando e aumentando a prevenção. Para se ter uma ideia, o país tem planeado, desde essa altura, 11200km de estradões para proteger a floresta (faixas de 125 metros de largura). Em 10 anos executou 1200 km. Só este ano vamos fazer 3600 km. Para além disso, aprovou-se a reforma da floresta, para melhorar a gestão integrada e agrupada das zonas florestais.

No seu entender quanto tempo precisa o país para se poder afirmar que o enquadramento dado às suas florestas se coaduna com as caraterísticas geográficas e sociodemográficas do país?

É um trabalho sempre contínuo, que é preciso começar já. Durante o mês de julho vão estar prontos os novos Programas Regionais de Ordenamento Florestal que vão depois ser transpostos para cada um dos municípios. Com isso, saberemos qual a vocação das nossas terras para a floresta e qual a floresta que devemos ter, contando que temos alterações climáticas que nos impõem mais cuidados com o que temos de fazer. Portanto, temos de saber articular quatro questões chave: saber ordenar, prevenir, gerir e valorizar os sistemas florestais. Dar valor à floresta pelos muitos produtos que dela saírem, mas também pagar serviços públicos que ela presta à sociedade, quando protege solos, água, biodiversidade e capta carbono.

Na sequência da campanha da limpeza das florestas lançada (e das consequentes penalizações) o Governo teve em conta a presença física de pessoas e proprietários, mas parece ter esquecido que existem muitos emigrantes com parcelas de terra e que só na altura de férias conseguem regressar ao país. De alguma forma esta situação foi acautelada?

O Governo não tem dois pesos e duas medidas no cumprimento da lei. Deu o tempo necessário e a flexibilidade que muitas vezes é preciso ter para fazer as coisas. Definiu com clareza as áreas prioritárias de intervenção. E não andou à caça à multa. Prova disso é o facto de o nível de coimas não ter aumentado exponencialmente.

Que conselhos poderá dar aos emigrantes que neste verão vêm passar férias em Portugal e são proprietários de parcelas florestais?

A floresta não se pode gerir à distância. É preciso que se informem sobre os movimentos associativos e possam aderir à Zonas de Intervenção Florestal existentes na sua terra, ou criar formas que o Governo agora disponibiliza para gestão integrada da floresta, como as Entidades de Gestão Florestal. Por outro lado, a festa do reencontro tem de ter em conta que temos de evitar comportamentos de risco e as intervenções na floresta tem de ser cuidada e acompanhada por quem sabe. Temos de reduzir o número de incêndios em Portugal.

Defende também que a fixação das pessoas no interior do país é um dos fatores críticos para se evitarem tragédias como a do ano passado?

Claro que é absolutamente essencial. Remeto para um programa que estamos a implementar que é o das “Cabras Sapadoras”, em que vamos pagar para que os animais ajudem a gerir combustíveis na floresta e tirar de lá o mato. Estas medidas visam, acima de tudo, manter as pessoas nos territórios rurais.

 

OPINIÃO
Aqui, Brasil
Francisco Serra
Cônsul honorário de Portugal em Pelotas, Brasil
Condições mais favoráveis ao exercício do direito de voto
José Vítor Soreto de Barros
Presidente da Comissão Nacional de Eleições
Brasília, El Dorado Luso
Jack Soifer
Consultor Internacional
DISCURSO DIRETO
Um zacatrás por Portugal
José Caria, diretor-adjunto da PORT.COM
PORTUGAL
Há condições para viver em Arcos de Valdevez
João Esteves, presidente da CM de Arcos de Valdevez
PORTUGAL
A comunidade portuguesa e a Venezuela
Paulo Pisco
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ