Revista PORT.COM - Notícias de Portugal e das Comunidades
ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Foto Discurso Direto
PORTUGAL
2019-04-05
The last man on the moon

Aproveitei estes últimos dias, antes do começo da primavera, para repor algumas leituras em dia e colocar alguma ordem em todos os sine die que se vão acumulando ao longo dos meses quando dei de caras com o último homem que tinha estado na Lua.

Era um conjunto de notas soltas de uma das minhas conversas com o Comandante Gene Cernan, entretanto falecido, quando da sua passagem por Lisboa e com quem tive o privilégio de trabalhar e conviver. E à memória vieram-me muitas histórias daquele que foi, no dia 11 de dezembro de 1972, o último homem até hoje a pisar a solo lunar no comando da missão Apollo 17.

Retive-me por momentos na carga simbólica do “Last man on the Moon” (aliás título do livro de Gene Cerne que constitui um documento ímpar sobre a corrida espacial norte-americana) e de facto em algo que para nós, pelo menos na geração dos 50, nos parece tão próximo, mas já está tão distante.

O que mudou no mundo desde a década de 70? Para bem dizer tudo, mas com que rumo? Com que fim? Parece bizarro quando hoje dizemos: há mais de 40 anos o Homem conquistou a Lua; daí para a frente nunca mais fomos a lado nenhum, limitámo-nos a cirandar. O que ganhámos e o que perdemos se é que será alguma vez possível fazer um balanço do devir da humanidade? Não se trava o progresso, dirão todos aqueles que vivem em constante tormento com o pesadelo dos “velhos do Restelo”, mas, para mim, um dado é adquirido: perdemos, entre muitas outras coisas, um elo fundamental, perdemos o nosso próprio rumo. Mas com o rumo perdemos muito mais coisas, perdemos talvez uma das mais preciosas: deixámos de FALAR… e passámos a COMUNICAR. E é curioso como de repente passámos a ter tanta coisa para comunicar e uma necessidade tão imperiosa de o fazer. Nós, as empresas, as organizações, um sem número de agentes e atores e de tal modo que o tempo até escasseia perante esta “mórbida imposição” da aldeia global. Tempo esse que até escasseia para viver, quanto mais para falar.

Como me dizia o meu pai, na altura dividido entre os rigores de militar atravessado por uma guerra colonial e os primeiros passos de arranque do projeto (politicamente controlado) de informação na RTP “se na II Guerra tivesse havido uma televisão nunca o holocausto nazi teria assumido a sua catastrófica dimensão”.

Hoje olhamos à nossa volta e interrogamo-nos sobre quantas dimensões catastróficas foram projetadas e potenciadas, para o bem ou para o mal, nesta parafernália infinita da televisão, do Facebook, do Twitter, do Instagram, seja do que for. E será que fez alguma diferença? Afinal a imperiosa necessidade é Comunicar.

Que saudades que eu tenho da Lua.  

OPINIÃO
Portugal hoje, um país que incentiva ao regresso
Paulo Pisco
Deputado do PS eleito pelos portugueses na Europa
De olhos postos em África com uma estratégia de futuro
Peter Dawson
Presidente do grupo Garland
Não há tempo para se perder tempo!
Vítor Ramalho
Secretário-Geral da UCCLA
DISCURSO DIRETO
O português que ajudou a 'erguer' as memórias do World Trade Center
Luís Mendes, arquiteto
ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA
«Mobilidade no espaço da lusofonia é um dos maiores desafios»
Teresa Ribeiro, SENEC
PORTUGAL
The last man on the moon
José Caria, diretor-adjunto da PORT.COM
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ