ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Tecnologia portuguesa promete ajudar a tornar o espaço mais limpo
Revista PORT.COM • 15-Jun-2017
Tecnologia portuguesa promete ajudar a tornar o espaço mais limpo



A empresa D-Orbit Portugal desenvolveu a tecnologia do satélite D-Sat, que vai ser lançado no final de junho na Índia, e que tem como ambição ser o primeiro capaz de se remover do espaço de forma eficaz e precisa.

Quando os russos lançaram o Sputnik 1, "o espaço era tão grande" que a remoção do satélite não era uma preocupação. Hoje, com a órbita repleta de satélites, "é uma preocupação", face às colisões provocadas pela sobrelotação e falta de espaço para se lançarem mais corpos artificiais para as órbitas terrestres, contou à agência Lusa Carina Amaro, da equipa da D-Orbit Portugal.

O D-Sat procura responder a esse mesmo problema, sendo um satélite com tecnologia de remoção do corpo novamente para a Terra com uma trajetória específica, ao invés do que acontece neste momento, em que os satélites ficam dezenas de anos em órbita já depois de terminada a sua operação e que acabam por entrar na atmosfera de forma descontrolada, com a possibilidade de caírem em zonas povoadas da Terra, elucidou.

A D-Orbit Portugal, subsidiária da italiana D-Orbit, desenvolveu todo o software necessário para a missão do D-Sat, um pequeno satélite de 30 centímetros por 10 centímetros, que vai funcionar como um demonstrador da capacidade da tecnologia, explicou Carina Amaro.

"É o primeiro lançamento da história, em que o satélite é lançado com o objetivo de ser removido", sublinhou, referindo que, a determinado ponto, vai ser enviado um comando ao D-Sat, que "vai girar sobre ele próprio e entrar na atmosfera numa trajetória" escolhida pela equipa.

O lixo espacial "é um grande problema".

"Estamos a enviar cada vez mais equipamento lá para cima e já aconteceu algum equipamento colidir", sintetizou.

Com a tecnologia da D-Orbit, já não se terá "de esperar décadas para que o satélite caia", para além de garantir uma descida com uma trajetória definida e não aleatória como atualmente acontece.

A tecnologia está patenteada e, depois da demonstração que vai ser realizada com o D-Sat, espera-se que os futuros satélites que sejam lançados possam ter o dispositivo desenvolvido pela empresa.

O dispositivo "é modular e escalável", podendo ser aplicado quer num satélite de 50 quilos ou num de cinco toneladas, acrescentou.

 

A D-Orbit Portugal está sediada em Cascais e integrada na Incubadora da Agência Espacial Europeia em Portugal (ESA BIC), coordenada pelo Instituto Pedro Nunes (IPN).


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
Macau: uma oportunidade ainda a descobrir
Alberto Carvalho Neto
Presidente da AJEPC
A importância da participação eleitoral nas comunidades
José Luís Carneiro
SECP
4 pilares para a prevenção de Alzheimer
George Perry
Diretor da Fac. de Ciências da Univ. do Texas
DISCURSO DIRETO
A preservação da memória e identidade da emigração portuguesa na toponímia
Daniel Bastos, Historiador
PORTUGAL
Portugal a votos
José Caria, Diretor-Adjunto da PORT.com
PORTUGAL
Lusos em Luanda
Jack Soifer, Consultor Internacional
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ