ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Governo português reserva 3500 vagas para emigrantes no ensino superior
Revista PORT.COM • 04-Ago-2018
Governo português reserva 3500 vagas para emigrantes no ensino superior



O Governo escreveu à comunidade portuguesa emigrante para divulgar cerca de 3.500 vagas disponíveis para emigrantes e seus familiares no concurso de acesso ao ensino superior, um contingente especial que em 2017-2018 apenas atraiu 273 estudantes.

Segundo uma informação enviada pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (MCTES), “a secretária de Estado da Ciência, da Tecnologia e do Ensino Superior e o secretário de Estado das Comunidades Portuguesas dirigiram uma carta às comunidades portuguesas no mundo, que foi difundida por toda a rede consular e diplomática portuguesa e divulgada também junto da comunidade académica e científica, juntamente com um folheto informativo específico sobre o referido contingente”.

A carta e os panfletos enviados em conjunto informam que existem 7% de vagas reservadas na primeira fase do concurso nacional de acesso ao ensino superior para emigrantes e familiares, reforçando o processo de internacionalização do sistema de ensino superior e científico nacional como fator de motivação para o regresso a Portugal.

A medida insere-se na iniciativa ‘Estudar e Investigar em Portugal’, à qual está associada uma “plataforma de divulgação das instituições, projetos e atividades relacionadas com o ensino superior, a ciência e a tecnologia nacionais”.

“No ano letivo 2017-2018 foram colocados 273 alunos, vindos de 29 países, através deste contingente”, refere a informação do MCTES.

A primeira fase do concurso nacional de acesso ao ensino superior decorre até 07 de agosto e até agora já conta com 38.066 candidatos a frequentar um curso nas universidades e politécnicos públicos.

O número fica cerca de 3.500 candidatos abaixo do registado em 2017 em igual período de candidatura decorrido.

Recentemente, o secretário de Estado das Comunidades Portuguesas já havia afirmado que a quota de 7% para os emigrants e descendentes entrarem na universidade portuguesa nunca foi preenchida.

Segundo o governo, podem concorrer às vagas deste contingente os estudantes que sejam emigrantes portugueses ou familiares que com eles residam, que apresentem a sua candidatura no prazo máximo de três anos após o regresso a Portugal, e tenham obtido no país estrangeiro diploma de curso do ensino secundário ou equivalente ao ensino secundário português.

Os estudantes que pretendam candidatar-se ao ensino superior público às vagas deste contingente especial, têm que realizar uma candidatura online ao concurso nacional.

O programa é válido para o emigrante que tenha residido, pelo menos, por dois anos em país estrangeiro onde tenha exercido atividade remunerada. E o familiar do emigrante, o cônjuge, o parente ou afim em qualquer grau e até ao 3.º grau da linha colateral que com ele tenha residido no estrangeiro, e que não tenha idade superior a 25 anos em 31 de Dezembro do ano da candidatura.

Assim, incluem Pais, Filhos, Avós, Netos, Bisavós, Bisnetos, Irmãos, Tios e Sobrinhos (Parentes), Sogros, Padrastos ou Madrastas, Genros, Noras ou Enteados, Pais dos Sogros ou dos Padrastos e Madrastas, Filhos dos Enteados, Cunhados, Filhos dos Cunhados e Irmãos dos Sogros ou do Padrastos e Madrastas (Afins), exemplifica a Direção Geral do Ensino Superior.


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
Mensagem de Natal para os leitores da revista PORT.COM
Marcelo Rebelo de Sousa
Presidente da República
Manaus, seiva d'ouro
Jack Soifer
Consultor Internacional
Oportunidade de encontro com o país e com uma região
José Luís Carneiro
Secretário de Estado das Comunidades Portuguesas
DISCURSO DIRETO
Quo Vadis?
José Caria, diretor-adjunto da PORT.COM
PORTUGAL
«Tinha o sonho de ter um hotel em NY e consegui concretizá-lo»
Alfredo Pedro, empresário
PORTUGAL
«A CPLP oferece um extraordinário e estratégico instrumento»
Secretária Executiva da CPLP
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ