ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Governo alarga gabinetes de apoio aos emigrantes às juntas de freguesia
Revista PORT.COM • 22-Nov-2016
Governo alarga gabinetes de apoio aos emigrantes às juntas de freguesia



A 23 de abril foi apresentado, em Coimbra, o modelo da nova geração de protocolo dos Gabinetes de Apoio ao Emigrante (GAE), resultante de acordos entre a DGACCP, a ANAFRE e a ANMP. Desde então, foram criados 28 novos GAE em câmaras municipais.

Os GAE foram alargados hoje, pela primeira vez, às juntas de freguesias com a assinatura de protocolos, aumentando em 30% o número de Gabinetes no atual Governo

“Nós, com este protocolo que hoje celebramos com a ANAFRE (Associação Nacional de Freguesias) e com diversas freguesias, cumprimos o objetivo político a que tínhamos proposto no início deste mandato, ou seja, aumentarmos em 30% o número de Gabinetes de Apoio ao Emigrante em todo o país”, declarou à Lusa o atual secretário de Estado das Comunidades, José Luís Carneiro.

O secretário de Estado referiu que os novos GAE serão instalados nas juntas de freguesia de Cascais e Estoril (Cascais), Ermesinde (Ermesinde), Castelo (Sesimbra) e Lumiar (Lisboa).

“Quando eu cheguei ao Governo, nós tínhamos 100 GAE e agora, a partir de hoje, ficaremos com 132 Gabinetes de Apoio ao Emigrante”, afirmou Carneiro.

“Cumprimos também o segundo objetivo, que era o de alargar a dimensão institucional dos GAE, para isso, em abril assinámos um acordo com a Associação Nacional dos Municípios Portugueses (ANMP) e também com a Associação Nacional de Freguesias”, avaliou o secretário de Estado.

Segundo Carneiro, foi conseguido neste âmbito do alargamento institucional, trazer para os GAE uma equipa transversal ao Governo que integra elementos de várias secretarias de Estado.

Tudo isso, referiu o governante, “de forma a garantir maior eficácia e eficiência na resolução das questões que nos são colocadas quer nos postos consulares, quer nos GAE que hoje estão também em todo país”.

“Um outro grande objetivo era o de alargarmos os GAE a todo o território nacional, pois tínhamos GAE muito concentrados na região norte e no centro do país e, hoje, temos os Gabinetes na Grande Lisboa, no Alentejo e no Algarve”, disse.

Segundo Carneiro, outro objetivo era também o de dar aos GAE, a par das suas funções sociais, funções de natureza económica.

Neste âmbito, afirmou o secretário de Estado, foi possível “num curto espaço de tempo, identificar cerca de 7.000 micro e pequenas empresas da diáspora”.

O secretário de Estado informou que, por esta via, será realizado entre 16 e 17 de dezembro o primeiro encontro de investidores da diáspora, em Sintra, evento no qual a Revista PORT.COM é media partner.

Estas GAE nas juntas de freguesia, de acordo com Carneiro, “permitem dar uma outra expressão territorial aos GAE, uma vez que mais de 90% dos emigrantes que regressam ao país, definitivamente ou temporariamente, o fazem pela via da junta de freguesia”.

O Gabinete de Apoio ao Emigrante resulta de um protocolo de cooperação entre a Direção-Geral dos Assuntos Consulares e das Comunidades Portuguesas (DGACCP), do Ministério dos Negócios Estrangeiros, os municípios e as juntas de freguesias, tendo como destinatários os portugueses ainda emigrados, aqueles que já regressaram ou que irão regressar, bem como os que pretendem iniciar um processo migratório.


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
O Observatório dos Lusodescendentes
Daniel Bastos
Historiador
La Lys: Celebrações com sentido reparador
Paulo Pisco
Deputado do PS
Ser português fora é ter Portugal dentro
Isabelle Coelho-Marques
Presidente da NYPALC
DISCURSO DIRETO
A Oriente nada de novo?
José Caria
PORTUGAL
“Acreditem no potencial que existe nas comunidades”
Isabelle Coelho-Marques
PORTUGAL
“Não foi por acaso que Portugal foi o melhor destino do mundo em 2017”
Pedro Machado
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ