ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

O conteúdo desta página só pode ser visualizado na vertical!


imagem
Revista PORT.COM • 20-Mar-2017
Exposição nos Estados Unidos exibe arte colonial portuguesa



A exposição destaca obras coloniais portuguesas na América do Sul e também na Ásia.

O Museu de Arte de Worcester, na cidade com o mesmo nome no Estado do Massachusetts, nos EUA, acolhe até 9 de julho uma exposição de arte colonial espanhola e portuguesa dos séculos XVII e XVII que inclui uma obra do escultor Francisco Xavier de Brito.

“A exposição centra-se, sobretudo, nas colónias portuguesas e espanholas na América do Sul durante o auge dos impérios e a magnifica produção de arte religiosa e secular desses anos”, explicou um dos curadores da exposição, Justin M. Brown, à agência Lusa.

A exposição é construída com peças dos colecionadores Roberta e Richard Huber, um casal de nova iorquinos que se apaixonou por esta arte quando se mudou, por motivos profissionais, para a Colômbia, em 1962, e desde então reuniu uma das mais valiosas coleções privadas nesta área.

“A exposição contém uma mão cheia de objetos do Brasil, incluindo esculturas, pecas em prata e um baú de madeira lindamente esculpido, mas nenhuma das peças é assinada”, adianta o curador.

A única exceção, acrescenta, é uma escultura da Nossa Senhora da Imaculada Conceição, que é atribuída a Francisco Xavier de Brito, um escultor português que imigrou para o Brasil, onde morreu em 1751, e fez algumas das principais obras do barroco mineiro.

A exposição inclui também obras coloniais portuguesas da Ásia, com um grande número de peças em marfim produzidas na Índia e no Sri Lanka.

“É uma deslumbrante mostra da troca cultural e material daquele período. Antes do surgimento das outras potências europeias, Portugal dominou as rotas marítimas desta zona e estas peças demonstram a sofisticação do seu poder neste período”, explica o curador.

A maior parte dos objetos tem um propósito bem definido, servindo as obras religiosas para disseminar a fé cristã no novo mundo e os trabalhos em materiais preciosos para mostrar o crescente poder e riqueza do império.

A exposição, com o título “Highest Heaven” (O céu mais alto), examina estes usos, explorando como os temas europeus, sobretudo as imagens cristãs, foram traduzidos e integrados nestas geografias criando uma nova linguagem.

Através das peças, é possível perceber, por exemplo, como os santos da igreja católica ganham a aparência das populações nativas ou como a sua fisionomia se mantém, mas são introduzidos num novo contexto.

“Os artesãos nativos do Ceilão [hoje Sri Lanka] há muito tempo que produziam esculturas na tradição budista, mas a importação de temas cristãos, através de pinturas e impressões, trouxe uma nova variedade para a sua arte que a revolucionou”, explica Justin M. Brown.

Para o curador, a exposição mostra “uma nova cultura visual que foi criada para representar a expansão do império e a integração de uma diversidade de pessoas numa única fé.”


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
Por um Ministério das Comunidades Portuguesas
Daniel Bastos
Historiador
Pela valorização do ensino da história da emigração portuguesa
Paulo Prisco
Deputado do PS eleito pelas comunidades
A Lei da Nacionalidade
José Cesário
Deputado do PSD eleito pelo círculo da emigração
DISCURSO DIRETO
Bélgica, país de contrastes onde adoram portugueses
Catarina Moleiro
BÉLGICA
O mundo é pequeno, a China não
Miguel Madeira
CHINA
Num ano em França, tudo mudou!
Rita Sarmento
FRANÇA
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ