ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Portugueses devem pedir documentos de residência no UK
Revista PORT.COM • 02-Mai-2017
Portugueses devem pedir documentos de residência no UK



Secretário de Estado das Comunidades Portuguesas considera que a formalidade constitui um "meio de segurança" para os emigrantes portugueses.

O governo português mantém o conselho para que seja feita a regularização de residência no Reino Unido, apesar de o Ministério do Interior britânico considerar que, para já, não é necessário.

"A nossa recomendação, consular e da Embaixada, é de manter as orientações anteriores e garantir a residência permanente ou provisória", disse o secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, José Luís Carneiro.

O Ministério do Interior britânico fez uma atualização no seu portal na Internet, onde incentiva os potenciais candidatos ao cartão de residente permanente para, em vez de iniciarem o processo, a inscreverem-se num serviço de correio eletrónico.

"Estas atualizações por 'email' darão a conhecer quaisquer alterações que o afetem, incluindo os passos que precise de tomar para confirmar o estatuto no RU após a saída da UE", lê-se no portal.

O mesmo aviso explica que não há necessidade de qualquer expediente na sequência da ativação do artigo 50.º que oficializou a 29 de março o pedido de saída da União Europeia.

"Não haverá alteração aos direitos e estatuto dos nacionais da UE a residir no RU enquanto o RU se mantiver na UE", refere, acrescentando em negrito que, segundo a lei europeia, "não é necessário um documento para confirmar o estatuto de residência no RU".

José Luís Carneiro considera "positivos" quaisquer meios de simplificação e dispositivos eletrónicos para facilitar este processo, mas reiterou que a formalidade constitui um "meio de segurança" para os emigrantes portugueses.

"Mantemos as recomendações para pedirem o cartão de residente porque é uma forma de reforçar a ligação ao Reino Unido", vincou o governante à Lusa.

Segundo estatísticas oficiais, o Ministério do Interior assistiu a uma explosão de pedidos de cartões de residência por cidadãos europeus: 133.714 em 2016, um aumento de 311% face aos 36.546 de 2015.

Este aumento coincidiu com o resultado do referendo de 23 de junho de 2016, no qual 52% dos eleitores britânicos votaram pela saída do RU da UE, superando os 48% que votaram pela permanência.

A preocupação refletiu-se na comunidade portuguesa: nos 12 meses de 2016 pediram documentos de certificação da sua residência 21.923 nacionais portugueses, mais 220% do que os 6.841 pedidos feitos no ano anterior.

Mesmo se o número de candidaturas já tinha aumentado 70% no primeiro semestre de 2016 (6.025) face ao semestre anterior (3.547), nos dois últimos trimestres do ano passado registou-se uma corrida a estes documentos: foram feitos 7.386 pedidos entre julho e setembro e 8.512 de outubro a dezembro.

No total, o segundo semestre de 2016 somou 15.898 candidaturas portuguesas, mais 164% do que na primeira metade do ano e quase 350% a mais do que em igual período de 2015.

Das 21.923 candidaturas portuguesas de 2016, a maioria foi para certificados e cartões de residência temporários (14.462), dos quais 2.818 foram rejeitados ou considerados inválidos.

Foram feitas 6.050 candidaturas a residência permanente, das quais 1.999, equivalentes a um terço, foram rejeitadas ou consideradas inválidas.


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
Portugal hoje, um país que incentiva ao regresso
Paulo Pisco
Deputado do PS eleito pelos portugueses na Europa
De olhos postos em África com uma estratégia de futuro
Peter Dawson
Presidente do grupo Garland
Não há tempo para se perder tempo!
Vítor Ramalho
Secretário-Geral da UCCLA
DISCURSO DIRETO
O português que ajudou a 'erguer' as memórias do World Trade Center
Luís Mendes, arquiteto
ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA
«Mobilidade no espaço da lusofonia é um dos maiores desafios»
Teresa Ribeiro, SENEC
PORTUGAL
The last man on the moon
José Caria, diretor-adjunto da PORT.COM
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ