ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Dia de Portugal centra-se nos ‘laços fraternais’ com o Brasil
Revista PORT.COM • 09-Jun-2017
Dia de Portugal centra-se nos ‘laços fraternais’ com o Brasil



O Presidente da República e o primeiro-ministro vão centrar "totalmente" na cultura e nas comunidades portuguesas as comemorações do Dia de Portugal, no Brasil, a partir de amanhã, 10 de Junho, afastando-se assim, nesta ocasião, da dimensão político-institucional.

O primeiro ponto do programa brasileiro das comemorações, na noite do Dia 10 de Junho, será precisamente uma receção oferecida pelo Presidente da República e pelo primeiro-ministro à comunidade portuguesa no Teatro Municipal de São Paulo, seguindo-se um concerto pela fadista Gisela João.

"No Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, a prioridade do Presidente da República e do primeiro-ministro, nesta ocasião, é estarem com as comunidades lusas e valorizarem as dimensões da língua e da cultura portuguesa", disse o mesmo elemento do Governo, numa alusão ao facto de não estarem previstos encontros institucionais com altos responsáveis do executivo brasileiro.

Na terça-feira, no último dia de visita aos Açores, Marcelo Rebelo de Sousa referiu que não houve convites a autoridades brasileiras para o 10 de Junho no Brasil, mas realçou que essas autoridades estarão no seu país, com o qual Portugal tem laços "muito fraternais".

Questionado pelos jornalistas sobre a eventual presença de autoridades brasileiras nas cerimónias do Dia de Portugal junto das comunidades emigrantes em São Paulo e no Rio de Janeiro, o chefe de Estado, Marcelo Rebelo de Sousa, alegou que, "por natureza, o 10 de Junho é uma celebração de portugueses e com a presença, no caso vertente, do Presidente da República e do primeiro-ministro".

"Realizando-se no território de um Estado estrangeiro, seja ele europeu, nosso irmão na União Europeia, como foi a França, seja ele lusófono, nosso irmão na CPLP [Comunidade dos Países de Língua Portuguesa], como é o Brasil, ou seja ele qualquer outro Estado, é evidente que não há convites a autoridades", justificou.

Marcelo Rebelo de Sousa ressalvou, contudo, que "as autoridades desses Estados estão no seu território", acrescentando: "e um Presidente da República ou um primeiro-ministro têm de tomar isso em linha de conta, inevitavelmente, tratando-se de países com os quais temos laços, não só de amizade, como fraternais, e no caso do Brasil muito fraternais".

No ano passado, as celebrações do 10 de Junho realizaram-se, pela primeira vez, uma parte em Portugal, em Lisboa, e outra parte no estrangeiro, em França, junto das comunidades emigrantes na região de Paris, e contaram com a participação do então presidente francês, François Hollande.

Este ano, o modelo será repetido, com celebrações primeiro no Porto e depois junto das comunidades emigrantes e lusodescendentes de São Paulo e do Rio de Janeiro, no Brasil, coincidindo com um momento de turbulência política naquele país, com alegações que envolvem o atual presidente, Michel Temer, num escândalo de corrupção.

A ideia de comemorar o 10 de Junho deste ano em São Paulo foi lançada pelo primeiro-ministro, em setembro passado, durante a sua visita oficial ao Brasil.

Falando perante membros da comunidade portuguesa, António Costa manifestou plena concordância com a ideia do Presidente da República de celebrar o Dia de Portugal fora do território nacional e sugeriu nessa mesma ocasião a escolha de São Paulo para as comemorações de 2017, o que lhe motivou, de imediato, uma prolongada salva de palmas.

Perante a reação de alegria dos portugueses e lusodescendentes presentes na Casa de Portugal em São Paulo, Costa ainda pediu prudência em relação à sua própria ideia: "Tenho receio que, por pudor, por ter família em São Paulo, [o Presidente da República] não escolha esta cidade", admitiu - uma possibilidade que, no entanto, não se concretizou.

As relações luso-brasileiras, no plano histórico, segundo António Costa, "foram sempre de grande amizade, independentemente de quem esteve no poder em cada país".

"Foi assim que a ditadura brasileira não deixou de acolher exilados portugueses antes do 25 de Abril de 1974. E não foi por isso que se deixou de acolher exilados do Brasil durante a ditadura militar brasileira - tudo isto em nada prejudicou a relação entre os dois países. Era o que faltava agora termos qualquer tipo de alteração das relações entre os nossos países em função dos processos políticos internos de cada um", sustentou na altura o primeiro-ministro.


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
Significado das próximas eleições para a Assembleia da República
Paulo Pisco
Deputado do PS
Incêndios rurais: prevenir é mesmo o melhor remédio
Miguel Freitas
Sec. de Estado das Florestas
Por um regresso seguro a casa
José Artur Neves
Sec. de Estado da Proteção Civil
DISCURSO DIRETO
Monumentos ao emigrante em Portugal
Daniel Bastos, Historiador
PORTUGAL
Defesa de nova visão sobre as comunidades portuguesas
José Luís Carneiro
PORTUGAL
Um eterno e constante devir....
José Caria, diretor-adjunto da PORT.COM
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ