ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Ligação de emigrantes ao português é complementar à integração nos países
Revista PORT.COM • 26-Jul-2017
Ligação de emigrantes ao português é complementar à integração nos países



O ministro dos Negócios Estrangeiros português defendeu que a ligação dos emigrantes à língua e cultura portuguesas "é complementar" à boa integração nas sociedades de acolhimento e representa "uma competência adicional" a nível de comunicação e emprego

"É muito importante fazer sempre a pedagogia de que o elo de ligação a Portugal, que o domínio da língua, da história, da cultura de Portugal representa, não é alternativo à integração bem-sucedida nas sociedades de acolhimento, é complementar", sustentou Augusto Santos Silva, intervindo na sessão de abertura do segundo encontro de professores do ensino português no estrangeiro.

O encontro decorrer sob o tema "Aprender e ensinar português em contexto multilingue", na sede da Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa.

Além disso, afirmou, "o bom domínio da língua portuguesa, da cultura e da história portuguesas" não se podem restringir apenas a uma "espécie de dever pessoal de ligação a um passado".

"Justifica-se também como um domínio de uma competência adicional que vale no mundo de hoje, do ponto de vista da comunicação, do emprego, económico, da realização pessoal e grupal", considerou o governante.

Na sua intervenção perante coordenadores, professores e leitores de língua e cultura portuguesa, Santos Silva destacou "três dimensões complementares" relacionadas com o português: a ligação aos emigrantes, através do ensino de português no estrangeiro (EPE), o "principal traço de identidade e de ligação" entre os países que o têm como língua oficial e como um dos principais instrumentos da influência de Portugal a nível internacional.

Quanto ao ensino do português, o ministro destacou a sua preocupação em "tranquilizar" as comunidades portuguesas.

"Não estamos a fazer progredir a presença do português como língua estrangeira nos currículos de diferentes países para substituir ou diminuir o ensino de português no estrangeiro ou o ensino do português como língua de herança. Estamos a fazer as duas coisas ao mesmo tempo", sublinhou.

Além disso, o português é "um dos três pilares essenciais" da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), disse, mencionando "o que circula através da língua: a cultura, a comunicação, a educação, a ciência, a economia, os negócios, a concertação política nas organizações internacionais".

Por fim, Santos Silva destacou que o português "é um dos elementos, talvez o mais importante, da projeção internacional" de Portugal.

"É o elemento que faz com que a nossa influência global seja desproporcionada, a nosso favor, face à nossa dimensão física, demográfica ou mesmo económica", acrescentou.

Na mesma sessão, a presidente do Camões - Instituto da Cooperação e da Língua, Ana Paula Laborinho, enalteceu o papel de "cada professor, cada leitor, cada coordenador, cada adjunto de coordenação" como embaixadores da língua e cultura portuguesa.

A rede oficial de educação pré-escolar e ensinos básico e secundário contam com 312 professores em 11 países (Espanha, Andorra, França, Reino Unido, Luxemburgo, Bélgica, Holanda, Suíça, África do Sul, Namíbia e Suazilândia) e o Camões apoia mais 650 docentes nos Estados Unidos, Canadá, Venezuela e Austrália, abrangendo cerca de 70 mil alunos.

"Assistimos a um significativo aumento do interesse pela língua portuguesa em várias regiões do mundo", mencionou.

A rede do Camões no ensino superior e organizações internacionais encontra-se em 78 países, estando a crescer a sua presença em África (21 países), América Latina e América do Norte (12), Ásia e Oceânia (14) e Europa (31), reunindo mais de 90 mil estudantes.


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
Aqui, Brasil
Francisco Serra
Cônsul honorário de Portugal em Pelotas, Brasil
Condições mais favoráveis ao exercício do direito de voto
José Vítor Soreto de Barros
Presidente da Comissão Nacional de Eleições
Brasília, El Dorado Luso
Jack Soifer
Consultor Internacional
DISCURSO DIRETO
Um zacatrás por Portugal
José Caria, diretor-adjunto da PORT.COM
PORTUGAL
Há condições para viver em Arcos de Valdevez
João Esteves, presidente da CM de Arcos de Valdevez
PORTUGAL
A comunidade portuguesa e a Venezuela
Paulo Pisco
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ