ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Governo português quer 'democratizar acesso' das associações de emigrantes a apoios
Revista PORT.COM • 01-Out-2017
Governo português quer 'democratizar acesso' das associações de emigrantes a apoios



José Luís Carneiro falava a propósito da publicação do novo regime legal de apoios ao movimento associativo, que veio rever o anterior regime, que constava de um despacho de 2005.

O Governo quer “democratizar o acesso” das associações de emigrantes a apoios estatais e incentivar projetos na área social, cidadania e promoção da língua e cultura, disse o secretário de Estado das Comunidades Portuguesas.

 “O objetivo é que possa haver uma diversificação das áreas de atividades e dos projetos, em conformidade com as políticas [para a diáspora], introduzir mais transparência e democratizar o acesso e o procedimento de candidatura” das associações na diáspora, que rondam as 2.000, afirmou.

A nova vaga de emigração fez surgir um novo tipo de movimento associativo, que se organiza em redes, como as de professores, investigadores, estudantes, artistas, luso-eleitos ou luso-empresários.

O executivo pretende, com o novo decreto-lei, “estimular o diálogo” entre esta nova dimensão e o movimento associativo mais tradicional, “de caráter social, cultural e recreativo”, das primeiras ou segundas gerações de emigrantes, cujo trabalho pretende “continuar a garantir”, explicou José Luís Carneiro.

O Governo passa a apostar no financiamento de projetos e destaca as áreas que quer incentivar: igualdade e cidadania, com destaque para o recenseamento, participação eleitoral e combate à violência doméstica; a área social, em particular o apoio aos idosos, através de lares, apoio domiciliário ou cuidados continuados, fundamentalmente em países fora da Europa, onde os emigrantes estão mais desprotegidos nestas questões; a promoção da língua e da cultura portuguesas, e ainda o apoio a reclusos.

Assim, o Ministério dos Negócios Estrangeiros pretende também chegar a “um movimento associativo com um trabalho de muito significado, em particular fora da Europa, mas que tem estado fora” destes apoios.

O diploma prevê novas regras: as candidaturas deixam de poder ser feitas ao longo do ano, restringindo-se o prazo de 01 de outubro a 31 de dezembro, e têm de ser apresentados planos de atividades e orçamentos, bem como relatórios de atividades e contas de gerência. Além disso, as organizações no estrangeiro recebem até 80% de financiamento, enquanto para as sedeadas em Portugal o teto do apoio é metade do orçamento.

Outra novidade é a publicitação do processo, com a divulgação daas entidades apoiadas, o valor financeiro e os relatórios de atividades.

As candidaturas passam a ser concentradas na rede consular, que emitirá parecer, cabendo à Direção Geral dos Assuntos Consulares e das Comunidades Portuguesas as fases seguintes do processo.

Em média, nos últimos anos, o Estado português concedeu apoios na ordem dos 500 mil euros a perto de 80 a 100 associações.

No início de outubro, a secretaria de Estado das Comunidades vai promover sessões de formação com responsáveis de postos consulares e com dirigentes associativos sobre o novo diploma.


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
Aqui, Brasil
Francisco Serra
Cônsul honorário de Portugal em Pelotas, Brasil
Condições mais favoráveis ao exercício do direito de voto
José Vítor Soreto de Barros
Presidente da Comissão Nacional de Eleições
Brasília, El Dorado Luso
Jack Soifer
Consultor Internacional
DISCURSO DIRETO
Um zacatrás por Portugal
José Caria, diretor-adjunto da PORT.COM
PORTUGAL
Há condições para viver em Arcos de Valdevez
João Esteves, presidente da CM de Arcos de Valdevez
PORTUGAL
A comunidade portuguesa e a Venezuela
Paulo Pisco
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ