ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Lusodescendente promove academia virtual para ensinar língua portuguesa
Revista PORT.COM • 07-Jan-2018
Lusodescendente promove academia virtual para ensinar língua portuguesa



Uma professora de português criou, na Venezuela, a 'Mais idiomas', uma academia de línguas virtual, centrada na promoção da língua e cultura portuguesa, procurando contrariar "condicionantes" do sistema tradicional de ensino.

“Com a Mais Idiomas as pessoas podem aprender português, através de plataformas como o Skype ou Zoom, regular as suas horas, acabar cada nível no tempo que quiserem e, dependendo da urgência que tenham, ter mais ou menos horas de aulas", explicou Sandra Teixeira.

Em declarações à agência Lusa, a lusodescendente precisou que qualquer pessoa com mais de 12 anos pode inscrever-se, ocasião em que é feita um teste inicial de português, espanhol e inglês, segundo a língua pretendida.

"Há pessoas habituadas às aulas presenciais" e "custa-lhes um pouco habituar-se a este novo sistema, a ter que estabelecer uma ligação a determinada hora e até a usar um manual totalmente digital, mas uma vez que começam ficam apaixonadas pelo sistema", explicou a promotora.

Segundo Sandra Teixeira, deste modo eliminam-se também outras limitações, porque as pessoas podem ter aulas estando em casa, no escritório, em qualquer lugar.

O projeto, explicou, surgiu há um ano, mas a inauguração teve lugar no passado dia 10 de junho, Dia de Portugal.

O português está no seu melhor momento, é a língua mais procurada aqui na Venezuela. As pessoas procuram aprender por motivos comerciais, profissionais e de estudos. Seria importante que houvessem mais professores porque há uma deficiência de professos no país", disse.

Por outro lado, explicou que tem havido casos de crianças que têm dificuldades de aprendizagem, na escola, e que estão a fazer "um reforço" em casa, através da Mais Idiomas.

Segundo Sandra Teixeira, no caso da Venezuela, o ensino virtual "ajuda as pessoas que não têm acesso às aulas de português" pela via tradicional, porque "não há escolas, institutos ou professores em todos os Estados" do país.

"Nós pensamos nessas pessoas. Sabemos que há gente que quer aprender, que não vivem na capital e nós damos-lhe uma opção, a possibilidade de aprender a Língua portuguesa, sem ter que estar aqui", frisou.


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
Portugal hoje, um país que incentiva ao regresso
Paulo Pisco
Deputado do PS eleito pelos portugueses na Europa
De olhos postos em África com uma estratégia de futuro
Peter Dawson
Presidente do grupo Garland
Não há tempo para se perder tempo!
Vítor Ramalho
Secretário-Geral da UCCLA
DISCURSO DIRETO
O português que ajudou a 'erguer' as memórias do World Trade Center
Luís Mendes, arquiteto
ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA
«Mobilidade no espaço da lusofonia é um dos maiores desafios»
Teresa Ribeiro, SENEC
PORTUGAL
The last man on the moon
José Caria, diretor-adjunto da PORT.COM
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ