ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

41% dos pedidos de mudança de nome no Luxemburgo são de portugueses
Revista PORT.COM • 01-Fev-2018
41% dos pedidos de mudança de nome no Luxemburgo são de portugueses



A existência de vários nomes, comum nos portugueses, gera muitas vezes reacções de estranheza nos naturais do Luxemburgo, onde é comum ter-se apenas o nome próprio e o apelido.

Os 155 portugueses no Luxemburgo que alteraram o nome no ano passado representaram 41% dos 377 pedidos aprovados pelo Ministério da Justiça, no âmbito da lei da naturalização. A lei da nacionalidade permite escolher o nome que passará a figurar no bilhete de identidade luxemburguês, eliminando ou acrescentando nomes próprios e apelidos, ou adotando o nome "aos usos em vigor no Luxemburgo".

Segundo informação do Ministério da Justiça, "no caso dos cidadãos portugueses que obtiveram a nacionalidade luxemburguesa, os pedidos mais frequentes visam diminuir o número de elementos do nome de família".

No Luxemburgo, até 2006 só era possível registar os filhos com o apelido do pai, uma limitação que violava a Convenção das Nações Unidas para a Eliminação da Discriminação das Mulheres, e continua a ser tradicional ter apenas um nome próprio e um apelido.

Carlos Miguel Araújo Oliveira optou por passar a chamar-se apenas Carlos Oliveira, o nome que agora figura no bilhete de identidade luxemburguês. 

"Nem tinha pensado nisso, mas a funcionária que estava a fazer o processo [de naturalização] disse que eu podia mudar de nome", contou à agência Lusa este filho de imigrantes portugueses no Luxemburgo, que nasceu no Grão-Ducado e obteve a dupla nacionalidade há três anos.

 

Reações de estranheza

"Todos os meus colegas na escola tinham só dois nomes e eu achava estranho", disse, explicando que os outros nomes também "eram difíceis de pronunciar". "Não conseguiam dizer 'Miguel', diziam 'Migúel', e Araújo é um nome difícil de pronunciar, é como um nome russo ou japonês para nós", contou.

"Eu até os percebo, nunca levei a mal, mas é incómodo", acrescentou o estudante de 22 anos, recordando um episódio que aconteceu no primeiro ano do liceu. 

"No início do ano, o diretor chamava-nos a todos, e quando chegou a mim não conseguiu pronunciar o nome, tentou quatro vezes. A partir daí, sempre que chamavam o meu nome, quando chegavam a 'Carlos Miguel' eu levantava-me logo", lembrou.

A decisão de abdicar de um dos nomes próprios e do apelido da mãe não agradou ao pai, que "ficou zangado", mas "no dia seguinte já não havia discussões".

"Eu continuo a ter o mesmo nome em Portugal, mas no Luxemburgo torna as coisas mais fáceis e sinto-me mais integrado na cultura luxemburguesa", afirmou o estudante, atualmente a estudar na Universidade do Minho.

A socióloga Heidi Martins, a fazer doutoramento na Universidade do Luxemburgo, explica que muitos filhos de imigrantes se queixam de reações na escola por causa do tamanho do nome, o que pode levar a querer eliminar apelidos. 

"Há associações [ao nome] que passam pelas piadas, pela diferença, por não ser prático, porque tem de se escrever o nome inteiro, e isso é percecionado como negativo", realça.

Os pedidos de mudança de nome representam cerca de 10% dos processos de naturalização de cidadãos portugueses.

Entre 1 de Abril de 2017 — data em que entrou em vigor a nova lei proposta pelo ministro da Justiça, o lusodescendente Félix Braz — e dezembro do ano passado, pediram a nacionalidade luxemburguesa cerca de 1300 portugueses.

Uma das novidades da lei, que tornou mais fácil a naturalização, é a possibilidade de acrescentar apelidos, mas é a opção de eliminar nomes que mais atrai os portugueses. Os portugueses são a maior comunidade estrangeira no Luxemburgo, representando 16,4% da população.


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
A relação entre Portugal e a sua Diáspora...
José Luís Carneiro
Implicações políticas da participação eleitoral nas comunidades
Paulo Pisco
Deputado do PS
Porque não te calas?
José Caria
Diretor-Adjunto PORT.com
DISCURSO DIRETO
ENTREVISTA
Berta Nunes, secretária de Estado das Comunidades
PORTUGAL
ENTREVISTA
António Saraiva, Presidente da CIP
PORTUGAL
ENTREVISTA
Luís Faro Ramos, Presidente do Camões I.P.
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ