ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Autoridades francesas culpam condutor de 19 anos pela morte de 12 portugueses em França
Revista PORT.COM • 22-Mar-2018
Autoridades francesas culpam condutor de 19 anos pela morte de 12 portugueses em França



O relatório é arrasador e menciona a 'velocidade excessiva', o estado 'deplorável' da carrinha, com pneus com mais de sete anos de uso, e o excesso de passageiros, na análise às circunstâncias da morte de 12 portugueses em França, em 2016.

Dois anos após o acidente de viação que matou 12 portugueses, emigrantes na Suíça, que viajavam para passar as férias da Páscoa em Portugal, foi publicado o relatório técnico que avalia as circunstâncias do acidente.

O documento de 40 páginas, redigido pelo Gabinete de Investigação de Acidentes de Transporte Terrestre francês (BEA na sigla original), não tem dúvidas de que o condutor de 19 anos, Ricardo Pinheiro, também português, foi o culpado pelo acidente devido a um comportamento imprudente e perigoso. Mas também deixa duras críticas ao proprietário da carrinha, Arménio Pinto, que é tio do condutor.

O jovem de 19 anos foi o único sobrevivente do acidente que ocorreu a 24 de março de 2016, numa estrada em Montbeugny, em Allier, na região francesa de Auvérnia-Ródano-Alpes.

No relatório, nota-se que “a causa direta do acidente é a decisão do condutor que, sem ter visibilidade suficiente, fez uma ultrapassagem a uma velocidade excessiva, com um veículo num estado deplorável (freios e pneus usados) e em sobrecarga, ao qual foi acoplado um atrelado também ele em estado técnico defeituoso”.

O documento refere que o condutor de 19 anos fez o percurso a uma velocidade média de entre 110 e 133 km/hora.

A carrinha onde seguiam os portugueses “transportava duas vezes a carga máxima autorizada” e os pneus tinham mais de sete anos, já tendo ultrapassado os limites de desgaste, constata ainda o documento.

A análise do BEA destaca ainda que o veículo terá sofrido alterações na própria manhã do acidente, de modo “a aumentar a sua capacidade de seis para doze passageiros”.

“Foram adicionados assentos ilegalmente, com fixações para bancos e cintos de segurança defeituosos ou ausentes”, refere o relatório.

A viagem tinha sido organizada “pelo tio do condutor que propunha os seus serviços pelo passa-palavra”, salienta o BEA, frisando que o negócio não estava legalizado, embora promovesse viagens entre a Suíça e Portugal com regularidade.

O documento também nota que o condutor de 19 anos tinha tirado, em Portugal, a carta de condução que lhe permitia transportar até um máximo de oito passageiros apenas dois dias antes do acidente.

O julgamento realiza-se no próximo dia 13 de junho, onde Ricardo Pinheiro e o tio, Arménio Pinto, vão responder por crimes de homicídio involuntário.


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
Os efeitos do medo do coronavírus...
Daniel Bastos
Historiador
Novo Coronavírus provoca epidemia com desfecho imprevisível
Alfredo Martins
Internista e Coordenador do NEDResp
InPortugal 2020 Paris quer desenvolver nova rede de embaixadores
Ricardo Simões
Diretor do InPortugal
DISCURSO DIRETO
A Fundação ISS e o apoio na África Lusófona
Eulalia Devesa, Diretora da Fundação ISS Mais Um Sorriso
PORTUGAL
«Cada vez faz menos sentido falar de emigração»
José Cesário, Deputado do PSD
PORTUGAL
O Projeto de Mobilidade na CPLP
Augusto Santos Silva, Ministro dos Negócios estrangeiros
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ