ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Autoridades francesas culpam condutor de 19 anos pela morte de 12 portugueses em França
Revista PORT.COM • 22-Mar-2018
Autoridades francesas culpam condutor de 19 anos pela morte de 12 portugueses em França



O relatório é arrasador e menciona a 'velocidade excessiva', o estado 'deplorável' da carrinha, com pneus com mais de sete anos de uso, e o excesso de passageiros, na análise às circunstâncias da morte de 12 portugueses em França, em 2016.

Dois anos após o acidente de viação que matou 12 portugueses, emigrantes na Suíça, que viajavam para passar as férias da Páscoa em Portugal, foi publicado o relatório técnico que avalia as circunstâncias do acidente.

O documento de 40 páginas, redigido pelo Gabinete de Investigação de Acidentes de Transporte Terrestre francês (BEA na sigla original), não tem dúvidas de que o condutor de 19 anos, Ricardo Pinheiro, também português, foi o culpado pelo acidente devido a um comportamento imprudente e perigoso. Mas também deixa duras críticas ao proprietário da carrinha, Arménio Pinto, que é tio do condutor.

O jovem de 19 anos foi o único sobrevivente do acidente que ocorreu a 24 de março de 2016, numa estrada em Montbeugny, em Allier, na região francesa de Auvérnia-Ródano-Alpes.

No relatório, nota-se que “a causa direta do acidente é a decisão do condutor que, sem ter visibilidade suficiente, fez uma ultrapassagem a uma velocidade excessiva, com um veículo num estado deplorável (freios e pneus usados) e em sobrecarga, ao qual foi acoplado um atrelado também ele em estado técnico defeituoso”.

O documento refere que o condutor de 19 anos fez o percurso a uma velocidade média de entre 110 e 133 km/hora.

A carrinha onde seguiam os portugueses “transportava duas vezes a carga máxima autorizada” e os pneus tinham mais de sete anos, já tendo ultrapassado os limites de desgaste, constata ainda o documento.

A análise do BEA destaca ainda que o veículo terá sofrido alterações na própria manhã do acidente, de modo “a aumentar a sua capacidade de seis para doze passageiros”.

“Foram adicionados assentos ilegalmente, com fixações para bancos e cintos de segurança defeituosos ou ausentes”, refere o relatório.

A viagem tinha sido organizada “pelo tio do condutor que propunha os seus serviços pelo passa-palavra”, salienta o BEA, frisando que o negócio não estava legalizado, embora promovesse viagens entre a Suíça e Portugal com regularidade.

O documento também nota que o condutor de 19 anos tinha tirado, em Portugal, a carta de condução que lhe permitia transportar até um máximo de oito passageiros apenas dois dias antes do acidente.

O julgamento realiza-se no próximo dia 13 de junho, onde Ricardo Pinheiro e o tio, Arménio Pinto, vão responder por crimes de homicídio involuntário.


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
Novo Coronavírus provoca epidemia com desfecho imprevisível
Alfredo Martins
Internista e Coordenador do NEDResp
Açorianos no mundo
Daniel Bastos
Historiador
InPortugal 2020 Paris quer desenvolver nova rede de embaixadores
Ricardo Simões
Diretor do InPortugal
DISCURSO DIRETO
A Fundação ISS e o apoio na África Lusófona
Eulalia Devesa, Diretora da Fundação ISS Mais Um Sorriso
PORTUGAL
«Cada vez faz menos sentido falar de emigração»
José Cesário, Deputado do PSD
PORTUGAL
O Projeto de Mobilidade na CPLP
Augusto Santos Silva, Ministro dos Negócios estrangeiros
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ