ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Alunos de português no Instituto Politécnico de Macau aumentam 66,7%
Revista PORT.COM • 07-Out-2018
Alunos de português no Instituto Politécnico de Macau aumentam 66,7%



O número de alunos de português no Instituto Politécnico de Macau (IPM) cresceu 66,7% em três anos, um aumento que mesmo assim não consegue responder à procura, segundo indicam os números do IPM.

«Podemos ver esta tendência», de crescimento, afirmou à Lusa a nova diretora da Escola Superior de Línguas e Tradução (ESLT) do IPM, Han Lili, apontando para a necessidade de mais «cursos de português que possibilitem o aprofundamento dos conhecimentos da língua e da cultura dos países de expressão portuguesa».

Segundo os dados disponibilizados pelo organismo de ensino, no ano letivo 2016/2017 cerca de 300 alunos estavam a aprender português naquele instituto.

Em 2017/2018 o número subiu para 350 devido ao «arranque do novo Curso de Licenciatura em Português e mais uma turma de licenciatura em tradução chinês-português», disse a responsável. Neste ano letivo, os estudantes de português são já cerca de 500.

Han Lili, que assumiu as novas funções recentemente, explicou que uma das principais razões para o crescimento do número de estudantes de português neste ano letivo tem a ver «com o arranque do novo curso de licenciatura em ensino de língua chinesa como língua estrangeira».

De acordo com o IPM, este curso destina-se, entre outros, a «habilitar profissionais que dominem o chinês, o português, o inglês e o mandarim/cantonês».

«Para ir ao encontro da procura cada vez maior dos talentos bilingues (chinês-português) qualificados pelo mercado, o IPM tem disponibilizado uma oferta diversificada dos cursos associados à aprendizagem de português», argumentou a diretora da ESLT.

Os alunos dos países de língua portuguesa que estão a aprender chinês no IPM também registou um crescimento exponencial: aumentou cerca de três vezes em tantos anos.

«A partir do ano letivo 2016/2017 começamos a recrutar alunos dos países de língua portuguesa de Cabo Verde, Angola, Moçambique, Portugal e Brasil, que vêm estudar chinês"» explicou a responsável.

Ao número de alunos lusófonos a aprender chinês que frequentam o ESLT acresce-se todos os anos mais 25 alunos, uma turma do curso de tradução chinês-português do Instituto Politécnico de Leiria (IPL).

A diretora da Escola Superior de Educação e Ciências Sociais (ESECS) do Instituto Politécnico de Leiria, Sandrina Milhano, enfatizou a importância desta «oportunidade absolutamente única» para os alunos do IPL, que durante «dois anos têm contacto com a língua e com a cultura chinesa», uma mais valia para «entenderem não só a tradução, mas também a interpretação».

A parceria não se estende somente aos alunos, há também intercâmbio de professores que vão ensinar para os diferentes institutos. «Há o envio de professores de Macau para Leiria e de Leira para Macau e também de Pequim», disse.

Sandrina Milhano acrescentou que existe «um conjunto de protocolos estabelecidos que já remontam há cerca de 13 anos», entre o IPL e o IPM, como por exemplo a publicação de artigos e manuais escolares em conjunto.


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
Significado das próximas eleições para a Assembleia da República
Paulo Pisco
Deputado do PS
Incêndios rurais: prevenir é mesmo o melhor remédio
Miguel Freitas
Sec. de Estado das Florestas
Por um regresso seguro a casa
José Artur Neves
Sec. de Estado da Proteção Civil
DISCURSO DIRETO
Monumentos ao emigrante em Portugal
Daniel Bastos, Historiador
PORTUGAL
Defesa de nova visão sobre as comunidades portuguesas
José Luís Carneiro
PORTUGAL
Um eterno e constante devir....
José Caria, diretor-adjunto da PORT.COM
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ