ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Fundação portuguesa quer formar novos líderes associativos na Venezuela
Revista PORT.COM • 07-Dez-2018
Fundação portuguesa quer formar novos líderes associativos na Venezuela



A Fundação Instituto Português de Cultura (IPC) vai avançar com um projeto para formar líderes associativos na Venezuela com o objetivo de combater a «séria crise» de algumas associações portuguesas no país, inativas por falta de dirigentes.

A informação foi dada pelo presidente do IPC, Fernando Campos, em Caracas, durante um espetáculo com as cantoras luso-venezuelanas Andreia Imaginário e Iliana Gonçalves, que marcou a celebração do 33.º aniversário do organismo.

«Fizemos um compromisso importante, não do ponto de vista cultural, mas do ponto de vista associativo. A Venezuela atravessa uma crise importante sobre tudo no movimento associativo que está carente de líderes novos», disse Fernando Campos à Agência Lusa.

De acordo com o presidente do IPC, as instituições luso-venezuelanas «estão seriamente ameaçadas», inclusive várias delas desde há «muito anos» têm «sérias dificuldades para conseguir pessoas de relevo», para continuar o trabalho feito no passado.

«O IPC está a oferecer para com os dirigentes associativos que estão ativos na comunidade, lançar um projeto para a formação e capacitação dos novos líderes associativos. Queremos garantir que as instituições portuguesas na Venezuela, continuarão a trabalhar em prol da comunidade», frisou.

Contudo, explicou, é preciso identificar «as pessoas com potencial capacidade para assumir esse papel», referindo que há luso-venezuelanos «que já estão a fazer algum trabalho, mas que precisam de formação e capacitação».

A ideia é «preparar essas pessoas para assumir responsabilidades num futuro próximo», tendo em conta que «as estruturas institucionais de algumas associações portuguesas na Venezuela estão realmente em crise e que há alguns casos em têm situações sérias», frisou.

«Este processo não é tão fácil porque temos que identificar as pessoas mas tendo em conta que há pessoas que já têm muito tempo á frente de algumas instituições e que é preciso que entendam que há que começar a abrir o passo (às novas gerações), porque e não fizermos isso as instituições vão morrer e quando eles já não estiverem ninguém saberá o que terá que fazer», acrescentou.

Segundo Fernando Campos, «é um trabalho que tem de ser feito entre as várias partes, tem que haver muitos atores, muitas pessoas a trabalhar nisto, e em que a experiência dos que já têm muito tempo é importante».

De acordo com o responsável, o IPC está também «muito focado» em divulgar as tradições e culturas portuguesas «no seio da comunidade venezuelana.»

«Isso é um dos principais objetivos que temos, o de universalizar o nosso idioma, a nossa cultura e fazer saber que Portugal tem poetas, escritores, atores de cinema, cantores, que é muito mais que gente honesta e que trabalha muito e que faz muitas coisas aqui na Venezuela», explicou.

Fernando Campos, explicou ainda que foi preciso ter muita força de vontade para celebrar o aniversário do IPC em duas cidades venezuelanas, Puerto Ordáz e Caracas, tendo em conta «a situação país».

«O IPC está a dar um passo importante, a mandar uma mensagem importante à nossa comunidade, de que a pesar do difícil que estejam as coisas, sempre há gente e vontade que quer trabalhar, fazer coisas novas», disse.


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
A CPLP mais perto das pessoas
Francisco Ribeiro Telles
Secretário Executivo da CPLP
Gestão multicultural das equipas
António Cunha Meneses Abrantes
Professor Auxiliar na ICN Business School de Nancy
Já se ouve o Fado na Eslovénia
João Pita Costa
Editor da revista luso-eslovena Sardinha
DISCURSO DIRETO
Memórias e recordações da emigração portuguesa na Alemanha
Daniel Bastos
PORTUGAL
«Existe muita exploração laboral perpetrada por portugueses»
Luísa Semedo
FRANÇA
«Mercado chinês tem potencial para as empresas portuguesas»
José Augusto Duarte
CHINA
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ