ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Associações de venezuelanos na Madeira procuram fundos para alegrar Natal dos emigrantes
Revista PORT.COM • 23-Dez-2018
Associações de venezuelanos na Madeira procuram fundos para alegrar Natal dos emigrantes



As duas associações de venezuelanos da Madeira - Venecom e Venexos - estão a angariar fundos para proporcionar um Natal feliz às comunidades residentes no arquipélago e naquele país, atualmente mergulhado numa grave crise que afeta também os emigrantes portugueses.

«Na Venezuela, não há melhoria à vista. Pelo contrário, acho que a situação está a degradar-se cada dia mais. Por isso, é preciso que as pessoas que estão cá se unam», disse à agência Lusa Ana Cristina Monteiro, presidente da Venecom - Associação da Comunidade de Imigrantes Venezuelanos na Madeira.

A Venecom organizou recentemente, no Funchal, uma “Patinada” (festa pública na rua), na qual participou também a delegação regional da Associação Civil de Venezuelanos (Venexos), com vista a recolher fundos para apoiar os emigrantes.

«A Venexos trata dos que estão lá, a Venecom dos que estão cá», explicou Ana Cristina Monteiro, sublinhando que a primeira recolhe fundos para a compra de medicamentos para enviar para o país, ao passo que a segunda se dedica a apoiar os emigrantes que regressam à região autónoma.

As autoridades regionais estimam que cerca de 7.000 emigrantes oriundos da Venezuela regressaram à Madeira entre 2016 e 2018, sendo que naquele país residem aproximadamente 300 mil madeirenses.

«Não temos recursos e com estes eventos tentamos obter algumas verbas, para poder crescer e tentar prestar mais apoios económicos e mais ajuda às pessoas», disse Ana Cristina Monteiro, realçando que a Venecom está, sobretudo, vocacionada para o apoio jurídico e a ligação aos organismos estatais, nomeadamente as secretarias regionais.

«Ajudamos [o governo regional] a perceber a situação em que vivem os venezuelanos, quais são as necessidades, qual é a realidade quanto a documentação e depois fazemos também conferências informativas», explicou.

A “Patinata”, que decorreu junto à igreja de São Martinho, nos arredores do Funchal, procurou recriar o ambiente das festas de Natal na Venezuela iniciadas nos anos 50 do século XX, onde, após as missas da época, se fecham ruas inteiras para que crianças e adultos desfrutem dos seus patins, bicicletas e skates, havendo também muita música e barracas de comes-e-bebes.

«O que pretendemos é unir os venezuelanos e manter as nossas tradições e também pretendemos dá-las a conhecer aos que aqui residem, a nossa música, a nossa gastronomia, pois isso faz parte da integração», disse Ana Cristina Monteiro, vincando que «quando começamos a conhecer o outro apercebemo-nos que não somos tão diferentes».

Doze comerciantes oriundos da Venezuela participaram na “Patinata” em São Martinho, a segunda organizada pela Venecom em dois anos, onde não faltaram ponche creme (bebida à base de ovos, leite condensado e rum), ‘hayacas’ (espécie de empadão de carne embrulhado em folha de bananeira), sandes de pernil, ‘pão de jamón’ e outras iguarias típicas da Venezuela.

«Os que aqui estão, obviamente vão viver o Natal com uma sensação de perda, porque há muitos familiares na Venezuela que estão a passar grandes necessidades. Isso causa um bocadinho de tristeza», disse Ana Cristina Monteiro, considerando, no entanto, que as associações «vão tentar continuadamente ajudar» as comunidades.


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
O acervo bibliográfico sobre a emigração portuguesa
Daniel Bastos
Historiador
Defender a União Europeia e os direitos de cidadania
Paulo Pisco
Deputado do PS
Saibamos aumentar a participação cívica das nossas comunidades
José Cesário
Deputado do PSD
DISCURSO DIRETO
Dia de Portugal e 5.º aniversário da Revista PORT.COM
Marcelo Rebelo de Sousa
PORTUGAL
Língua portuguesa, um passaporte para o presente e para o futuro
Luís Faro Ramos, pres. do Camões I.P.
PORTUGAL
Função de grande responsabilidade e relevância social
José Luís Carneiro, SEC
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ