ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Associações de venezuelanos na Madeira procuram fundos para alegrar Natal dos emigrantes
Revista PORT.COM • 23-Dez-2018
Associações de venezuelanos na Madeira procuram fundos para alegrar Natal dos emigrantes



As duas associações de venezuelanos da Madeira - Venecom e Venexos - estão a angariar fundos para proporcionar um Natal feliz às comunidades residentes no arquipélago e naquele país, atualmente mergulhado numa grave crise que afeta também os emigrantes portugueses.

«Na Venezuela, não há melhoria à vista. Pelo contrário, acho que a situação está a degradar-se cada dia mais. Por isso, é preciso que as pessoas que estão cá se unam», disse à agência Lusa Ana Cristina Monteiro, presidente da Venecom - Associação da Comunidade de Imigrantes Venezuelanos na Madeira.

A Venecom organizou recentemente, no Funchal, uma “Patinada” (festa pública na rua), na qual participou também a delegação regional da Associação Civil de Venezuelanos (Venexos), com vista a recolher fundos para apoiar os emigrantes.

«A Venexos trata dos que estão lá, a Venecom dos que estão cá», explicou Ana Cristina Monteiro, sublinhando que a primeira recolhe fundos para a compra de medicamentos para enviar para o país, ao passo que a segunda se dedica a apoiar os emigrantes que regressam à região autónoma.

As autoridades regionais estimam que cerca de 7.000 emigrantes oriundos da Venezuela regressaram à Madeira entre 2016 e 2018, sendo que naquele país residem aproximadamente 300 mil madeirenses.

«Não temos recursos e com estes eventos tentamos obter algumas verbas, para poder crescer e tentar prestar mais apoios económicos e mais ajuda às pessoas», disse Ana Cristina Monteiro, realçando que a Venecom está, sobretudo, vocacionada para o apoio jurídico e a ligação aos organismos estatais, nomeadamente as secretarias regionais.

«Ajudamos [o governo regional] a perceber a situação em que vivem os venezuelanos, quais são as necessidades, qual é a realidade quanto a documentação e depois fazemos também conferências informativas», explicou.

A “Patinata”, que decorreu junto à igreja de São Martinho, nos arredores do Funchal, procurou recriar o ambiente das festas de Natal na Venezuela iniciadas nos anos 50 do século XX, onde, após as missas da época, se fecham ruas inteiras para que crianças e adultos desfrutem dos seus patins, bicicletas e skates, havendo também muita música e barracas de comes-e-bebes.

«O que pretendemos é unir os venezuelanos e manter as nossas tradições e também pretendemos dá-las a conhecer aos que aqui residem, a nossa música, a nossa gastronomia, pois isso faz parte da integração», disse Ana Cristina Monteiro, vincando que «quando começamos a conhecer o outro apercebemo-nos que não somos tão diferentes».

Doze comerciantes oriundos da Venezuela participaram na “Patinata” em São Martinho, a segunda organizada pela Venecom em dois anos, onde não faltaram ponche creme (bebida à base de ovos, leite condensado e rum), ‘hayacas’ (espécie de empadão de carne embrulhado em folha de bananeira), sandes de pernil, ‘pão de jamón’ e outras iguarias típicas da Venezuela.

«Os que aqui estão, obviamente vão viver o Natal com uma sensação de perda, porque há muitos familiares na Venezuela que estão a passar grandes necessidades. Isso causa um bocadinho de tristeza», disse Ana Cristina Monteiro, considerando, no entanto, que as associações «vão tentar continuadamente ajudar» as comunidades.


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
As comunidades portuguesas e o desenvolvimento de Portugal
Berta Nunes
secretária de Estado das Comunidades
O desastre consular e o deputado das comunidades
José Cesário
, Deputado do PSD por Fora da Europa
A ameaça das Redes Sociais e a tomada de consciência
José Caria
Diretor-adjunto da PORT.COM
DISCURSO DIRETO
Mensagem de Natal
Marcelo Rebelo de Sousa, Presidente da República
PORTUGAL
O português que conquistou notoriedade na PGR do Brasil
Alcides Martins, PGR do Brasil
PORTUGAL
Sagres e Luso:Tradição e Modernidade
Nuno Pinto Magalhães
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ