ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Canadá cancela deportação de família portuguesa
Revista PORT.COM • 18-Fev-2019
Canadá cancela deportação de família portuguesa



A deportação da família portuguesa do Canadá para Portugal prevista para esta segunda-feira «foi cancelada».

«A nossa deportação está cancelada. Recebi no sábado um telefonema de um elemento da Agência de Serviços de Fronteiras informando-me que a deportação estava anulada», confirmou Luiz António Rodrigues Bonito, de 56 anos.

O emigrante português confessou que na altura ficou «com algum receio», pois «não tinha nenhuma informação por escrito», mas ontem o cancelamento da deportação foi-lhe também confirmado pelo gabinete do deputado federal Doug Eyolfson, eleito pelo distrito de Charleswood - St. James - Assiniboia - Headingley, em Winnipeg, garantindo-lhe que esta semana ser-lhe-ão «facultados mais detalhes».

Luiz António Rodrigues Bonito, a sua mulher, Sandra Suarez de Rodrigues, 51, e a filha Ana Sofia, de 11 anos, - a viverem no Canadá desde 2015 e oriundos da Venezuela, estavam para ser deportados no dia 18 de fevereiro, após os vistos para residência permanente lhe terem sido recusados por várias ocasiões.

A intervenção do ministro da Imigração, Cidadania e Refugiados do Canadá, Ahmed Hussen, «foi importante no desfecho deste processo».

«O ministro da Imigração interveio no caso e vão-nos conceder dois anos de residência permanente no Canadá, período em que teremos a oportunidade de nos preparar para a candidatura a programas de imigração», acrescentou.

Luiz Bonito, filho de emigrantes da Madeira no Brasil, nasceu em São Paulo, mas aos 17 anos mudou-se para a Venezuela, país onde passou três décadas da sua vida.

Após um assalto à sua residência e um roubo ao seu estabelecimento comercial em 2014, a família mudou-se para Winnipeg, onde Bonito tem um irmão a morar desde 1980.

Luiz Bonito chegou ao Canadá com um visto de turista em 2015, bem como a mulher e a filha.

Após ter-lhe sido recusado o visto para o Programa de Trabalhadores Qualificados do Canadá, pediu o visto para o Programa Provincial de Nomeação do Manitoba, mas também não teve sorte.

Em 2017, o português candidatou-se ao estatuto de compaixão e humanitário, mas também foi recusado.

Luiz Bonito reconheceu o importante contributo durante todo o processo do Governo de Portugal, através do cônsul-geral honorário em Winnipeg, Paulo Cabral, e do chanceler na embaixada em Otava, Domingues Gonçalves.

O português mostra-se feliz pela decisão de cancelamento da deportação «mais pela filha», Ana Sofia, que já está integrada na sociedade em Winnipeg, e «teria dificuldades» em Portugal, visto que nasceu na Venezuela e «não fala português».

«Temos aqui bons amigos que pretendiam que ficássemos em Winnipeg. Portugal não é um mau país, seria um país estranho, até porque ela fala espanhol e não percebe português. Seria difícil para a minha filha se adaptar», justificou.

Agora durante os dois anos de residência permanente concedidos por Otava, Luiz Bonito acredita que terá alternativas para «fazer do Canadá a sua casa permanente» tendo para isso várias opções, tais como o Programa de Nomeação Provincial do Manitoba, ou outros programas federais.


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
Portugal hoje, um país que incentiva ao regresso
Paulo Pisco
Deputado do PS eleito pelos portugueses na Europa
De olhos postos em África com uma estratégia de futuro
Peter Dawson
Presidente do grupo Garland
Não há tempo para se perder tempo!
Vítor Ramalho
Secretário-Geral da UCCLA
DISCURSO DIRETO
O português que ajudou a 'erguer' as memórias do World Trade Center
Luís Mendes, arquiteto
ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA
«Mobilidade no espaço da lusofonia é um dos maiores desafios»
Teresa Ribeiro, SENEC
PORTUGAL
The last man on the moon
José Caria, diretor-adjunto da PORT.COM
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ