ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Madeira recebeu 18 repatriados da Venezuela desde 2018
Revista PORT.COM • 20-Fev-2019
Madeira recebeu 18 repatriados da Venezuela desde 2018



Em 2018 foram repatriados sete portugueses e, em 2019 o número subiu para 11. O governo regional estima que morem na região cerca de 7.000 pessoas provenientes da Venezuela nos últimos três anos.

O governo da Madeira recebeu um total de 18 repatriados provenientes da Venezuela desde 2018, mas acredita que regressaram à região cerca de 7.000 pessoas que viviam naquele país. Segundo informou a Secretaria Regional da Educação (SRE), que tutela as comunidades emigrantes, «em 2018 foram repatriados sete cidadãos e, em 2019, já foram repatriados 11 cidadãos nacionais». Contudo, a SRE não sabe quais os motivos que levaram a esses repatriamentos.

Quanto ao número de lusodescendentes que possam ter regressado da Venezuela, indicou ser um número difícil de apurar porque falta a atualização das estimativas da população por parte de entidades especializadas, como o Instituto Nacional de Estatística ou a Direção Regional de Estatística, não sendo, por agora, possível obter números rigorosos.

«Contudo, com base na informação que recolhemos a partir de diversas entidades que integram o universo da administração pública central, regional e local, bem como do movimento associativo, estimamos que se encontrem a residir na região cerca de 7.000 pessoas provenientes da Venezuela nos últimos três anos», disse. Ressalva a SRE que «é, contudo, possível que pela Região Autónoma da Madeira tenham passado muitas mais pessoas que optaram por não se fixar».

Dos dados fornecidos à agência Lusa relativos a este ano, a aérea da saúde tem “6.124 migrantes da Venezuela inscritos”. A educação regista 508 alunos matriculados (desde o pré-escolar até ao ensino secundário), enquanto a Investimentos Habitacionais da Madeira (IHM) — empresa pública que tem a responsabilidade de implementar a política do Governo Regional da Madeira no domínio do apoio à habitação das famílias mais carenciadas — registava 395 inscritos para os seguintes programas: Habitação Social; Apoio à Recuperação de Imóveis Degradados; Apoio ao Arrendamento através do Programa de Apoio aos Desempregados.

O Instituto de Emprego da Madeira teve 1.978 inscritos ao longo de 2018. “Entre 2016 e 2018, participaram em programas de emprego 160 cidadãos, registando-se 165 colocações realizadas pelo IHM”, dizendo a SER que “2.000 pessoas encontraram alternativas de emprego, emprego próprio ou tornaram-se empreendedores”.

Na área da Segurança Social, foram concedidos em 2018 “apoios sociais a 1.687 indivíduos regressados da Venezuela, que correspondem a 616 agregados familiares”. No que concerne às pensões, existiam, em novembro de 2018, 340 pedidos. Também o Gabinete de Acesso ao Ensino Superior realizou 550 atendimentos a regressados da Venezuela (entre abril de 2017 e dezembro de 2018), tendo sido instruídos 57 processos de equivalências.

A crise política na Venezuela agravou-se em 23 de janeiro, quando o líder da Assembleia Nacional, Juan Guaidó, se autoproclamou Presidente da República interino e declarou que assumia os poderes executivos de Nicolás Maduro.

Guaidó, 35 anos, contou de imediato com o apoio dos Estados Unidos e prometeu formar um governo de transição e organizar eleições livres. Nicolás Maduro, 56 anos, no poder desde 2013, recusou o desafio de Guaidó e denunciou a iniciativa do presidente do parlamento como uma tentativa de golpe de Estado liderada pelos Estados Unidos. A maioria dos países da União Europeia, entre os quais Portugal, reconheceram Guaidó como Presidente interino encarregado de organizar eleições livres e transparentes.


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
Portugal hoje, um país que incentiva ao regresso
Paulo Pisco
Deputado do PS eleito pelos portugueses na Europa
De olhos postos em África com uma estratégia de futuro
Peter Dawson
Presidente do grupo Garland
Não há tempo para se perder tempo!
Vítor Ramalho
Secretário-Geral da UCCLA
DISCURSO DIRETO
O português que ajudou a 'erguer' as memórias do World Trade Center
Luís Mendes, arquiteto
ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA
«Mobilidade no espaço da lusofonia é um dos maiores desafios»
Teresa Ribeiro, SENEC
PORTUGAL
The last man on the moon
José Caria, diretor-adjunto da PORT.COM
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ