ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Madeira recebeu 18 repatriados da Venezuela desde 2018
Revista PORT.COM • 20-Fev-2019
Madeira recebeu 18 repatriados da Venezuela desde 2018



Em 2018 foram repatriados sete portugueses e, em 2019 o número subiu para 11. O governo regional estima que morem na região cerca de 7.000 pessoas provenientes da Venezuela nos últimos três anos.

O governo da Madeira recebeu um total de 18 repatriados provenientes da Venezuela desde 2018, mas acredita que regressaram à região cerca de 7.000 pessoas que viviam naquele país. Segundo informou a Secretaria Regional da Educação (SRE), que tutela as comunidades emigrantes, «em 2018 foram repatriados sete cidadãos e, em 2019, já foram repatriados 11 cidadãos nacionais». Contudo, a SRE não sabe quais os motivos que levaram a esses repatriamentos.

Quanto ao número de lusodescendentes que possam ter regressado da Venezuela, indicou ser um número difícil de apurar porque falta a atualização das estimativas da população por parte de entidades especializadas, como o Instituto Nacional de Estatística ou a Direção Regional de Estatística, não sendo, por agora, possível obter números rigorosos.

«Contudo, com base na informação que recolhemos a partir de diversas entidades que integram o universo da administração pública central, regional e local, bem como do movimento associativo, estimamos que se encontrem a residir na região cerca de 7.000 pessoas provenientes da Venezuela nos últimos três anos», disse. Ressalva a SRE que «é, contudo, possível que pela Região Autónoma da Madeira tenham passado muitas mais pessoas que optaram por não se fixar».

Dos dados fornecidos à agência Lusa relativos a este ano, a aérea da saúde tem “6.124 migrantes da Venezuela inscritos”. A educação regista 508 alunos matriculados (desde o pré-escolar até ao ensino secundário), enquanto a Investimentos Habitacionais da Madeira (IHM) — empresa pública que tem a responsabilidade de implementar a política do Governo Regional da Madeira no domínio do apoio à habitação das famílias mais carenciadas — registava 395 inscritos para os seguintes programas: Habitação Social; Apoio à Recuperação de Imóveis Degradados; Apoio ao Arrendamento através do Programa de Apoio aos Desempregados.

O Instituto de Emprego da Madeira teve 1.978 inscritos ao longo de 2018. “Entre 2016 e 2018, participaram em programas de emprego 160 cidadãos, registando-se 165 colocações realizadas pelo IHM”, dizendo a SER que “2.000 pessoas encontraram alternativas de emprego, emprego próprio ou tornaram-se empreendedores”.

Na área da Segurança Social, foram concedidos em 2018 “apoios sociais a 1.687 indivíduos regressados da Venezuela, que correspondem a 616 agregados familiares”. No que concerne às pensões, existiam, em novembro de 2018, 340 pedidos. Também o Gabinete de Acesso ao Ensino Superior realizou 550 atendimentos a regressados da Venezuela (entre abril de 2017 e dezembro de 2018), tendo sido instruídos 57 processos de equivalências.

A crise política na Venezuela agravou-se em 23 de janeiro, quando o líder da Assembleia Nacional, Juan Guaidó, se autoproclamou Presidente da República interino e declarou que assumia os poderes executivos de Nicolás Maduro.

Guaidó, 35 anos, contou de imediato com o apoio dos Estados Unidos e prometeu formar um governo de transição e organizar eleições livres. Nicolás Maduro, 56 anos, no poder desde 2013, recusou o desafio de Guaidó e denunciou a iniciativa do presidente do parlamento como uma tentativa de golpe de Estado liderada pelos Estados Unidos. A maioria dos países da União Europeia, entre os quais Portugal, reconheceram Guaidó como Presidente interino encarregado de organizar eleições livres e transparentes.


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
Cultura é a nossa marca distintiva
Graça Fonseca
Ministra da Cultura
Estudo pioneiro em Portugal
David Lopes
Administrador da FFMS
Mare Nostrum
José Caria
Diretor-adjunto da PORT.COM
DISCURSO DIRETO
Felicidade? Lusodescendentes em Nova Iorque
Jack Soifer, Consultor internacional
PORTUGAL
Direito de preferência: Proteção acrescida do direito dos arrendatários
Paula Costa, Advogada
REINO UNIDO
A todas as mães emigrantes: «Ser mãe fora de Portugal é…»
Susana Morais
FRANÇA
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ