ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Conselho Regional Europeu das Comunidades reuniu em Lisboa
Revista PORT.COM • 03-Mar-2019
Conselho Regional Europeu das Comunidades reuniu em Lisboa



O Conselho Regional da Europa (CRE) do Conselho das Comunidades Portuguesas reuniu, esta semana, em Lisboa, com o Secretário de Estados da Comunidades para debater assuntos relacionados com os portugueses residentes no estrangeiro. A atual presidente, Luísa Semedo, e o secretário Amadeu Batel foram reeleitos para novo mandato por unanimidade.

O Conselho Regional da Europa (CRE) do Conselho das Comunidades Portuguesas reuniu nos passados dias 28 de fevereiro e 1 de março, no Ministério dos Negócios Estrangeiros, em Lisboa.

Para Luísa Semedo, presidente em exercício, «estas reuniões anuais são indispensáveis para que as conselheiras e os conselheiros espalhados pela Europa possam transformar o diverso no comum. A partir das realidades particulares conseguimos fazer emergir problemáticas gerais que nos permitem lutar de uma só voz por questões primordiais para as comunidades». A presidente do conselho em exercício lamentou também «que muitos dos convites feitos a membros do Governo e dos grupos Parlamentares e instituições não tenham tido resposta positiva ou até nenhuma resposta».

O CRE decidiu pôr em destaque três temáticas que julgou serem de especial relevância no momento presente através de três painéis temáticos sobre a Língua e o Ensino, a Nova Lei Eleitoral e a Lei e Identidade do CCP, cuja considerações foram expressas no fim dos trabalhos:

  • Sobre a Língua e Ensino, e numa perspetiva de conservação e desenvolvimento da Língua Portuguesa, continuamos a sofrer com o facto de que as mesmas problemáticas regressam todos os anos. Estas problemáticas que podemos resumir a falta de meios e de visão estratégica, resultam numa persistente dificuldade em conseguirmos uma aprendizagem do português como língua materna e de herança de forma continuada, ao longo de toda a escolaridade das crianças. Estas deficiências na transmissão do português resultam forçosamente num processo assimilatório em que a língua e a cultura de origem entram num processo de diluição até à sua extinção nos países de residência;
  • A Nova Lei Eleitoral que permitiu o recenseamento automático e mudou de forma quase estrutural o universo de votantes é um verdadeiro desafio sobretudo no que diz respeito à participação no ato eleitoral. As conselheiras e os conselheiros farão, como sempre fizeram, a sua parte na promoção da participação cívica das portuguesas e portugueses residentes no estrangeiro, mas é necessário haver uma atitude proactiva por parte do Governo em questões essenciais como o desdobramento das mesas de voto, a garantia de condições democráticas desse voto, o acesso a diversas formas de voto, como o voto eletrónico e ainda o acesso à pluralidade de oferta política, tendo em conta que muitas vezes só os maiores partidos é que têm meios para chegar às Comunidades. O CRE considera que este progresso essencial é um direito e não um presente que foi feito às Comunidades e nesse sentido não aceita que o ónus da abstenção, que sabe ser elevada, seja unicamente imputado às Comunidades;
  • A questão da Lei e Identidade do CCP são essenciais visto estarmos no último ano deste mandato. As Conselheiras e os Conselheiros, tendo em conta que consideram este órgão como essencial na representação da Comunidades, têm como preocupação preparar o futuro e a preservação do Conselho das Comunidades Portuguesas. Necessitamos de meios à altura do desafio e deploramos estarmos muito aquém daquilo que seria necessário para um trabalho eficaz em prol das Comunidades.

 

 

Por último, os conselheiros deixaram expresso um vigoroso apelo ao voto: «As eleições europeias estão à porta e forças nacionalistas que têm como agenda política as exclusões podem por em causa de forma crítica a vivência das Comunidades nos seus países de acolhimento».

 

A participação nos próximos atos eleitorais

Uma das questões mais prementes em cima da mesa foi a da participação dos portugueses residentes no estrangeiro nos próximos atos eleitorais. José Luis Carneiro, que acompanhou uma das sessões de trabalho, deixou o apelo aos representantes das comunidades portuguesas para que ativamente contribuam para o esclarecimento dos cidadãos acerca do recenseamento automático no estrangeiro e sobre as novas leis eleitorais, já que estas mudanças terão um importante impacto na capacidade de participação cívica e política dos portugueses no estrangeiro nos atos eleitorais de 2019.

«Durante muito tempo persistiu a ideia de que esta importante reforma não era exequível. Conseguiu-se provar que era passível de ser concretizada e foi possível formar-se um consenso político alargado na Assembleia da República nesse sentido. Agora, cabe-nos a todos esclarecer e mobilizar os eleitores para votarem, qualquer que seja o seu sentido de voto, para que seja possível mostrar que esta mudança histórica valeu a pena», destacou o secretário de Estado das Comunidades Portuguesas.


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
Portugal hoje, um país que incentiva ao regresso
Paulo Pisco
Deputado do PS eleito pelos portugueses na Europa
De olhos postos em África com uma estratégia de futuro
Peter Dawson
Presidente do grupo Garland
Não há tempo para se perder tempo!
Vítor Ramalho
Secretário-Geral da UCCLA
DISCURSO DIRETO
O português que ajudou a 'erguer' as memórias do World Trade Center
Luís Mendes, arquiteto
ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA
«Mobilidade no espaço da lusofonia é um dos maiores desafios»
Teresa Ribeiro, SENEC
PORTUGAL
The last man on the moon
José Caria, diretor-adjunto da PORT.COM
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ