ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Denúncias de violência doméstica no Reino Unido travadas pela dificuldade linguística
Revista PORT.COM • 12-Mar-2019
Denúncias de violência doméstica no Reino Unido travadas pela dificuldade linguística



O desconhecimento da língua inglesa e a falta de apoio em português podem travar emigrantes na comunidade portuguesa no Reino Unido a reportar os agressores.

A separação de uma rede de apoio familiar ou de amigos, a dependência económica do agressor, a precariedade financeira ou problemas de saúde mental «podem contribuir para um maior isolamento e aumentar a vulnerabilidade da vítima relativamente ao agressor», disseram as líderes da Associação Respeito à agência Lusa.

Com destaque para o desconhecimento dos serviços locais e da legislação, a falta de apoio profissional em português e as dificuldades na língua local, Maria João Nogueira e Fernanda Correia sublinham que «os casos de violência doméstica acontecem porque existe um(a) agressor(a), quer seja no país de origem, quer seja nos países de acolhimento para as comunidades imigrantes» e que «a violência doméstica não escolhe caras, credos, educação ou situação financeira».

Fundada em 2016, a Associação Respeito nasceu de um estudo feito para a London Community Foundation sobre a comunidade portuguesa em Londres cujo problema mais grave se verificou ser a violência doméstica. Uma das autoras, Maria João Nogueira, aliou-se a Fernanda Correia e juntas fornecem informação e ajuda na interação com os serviços ingleses, proporcionando apoio psicossocial às vítimas de violência doméstica - maioritariamente mulheres, mas também alguns homens - e prestam ajuda a quem não fala bem inglês quando, por exemplo, pretendem abrir uma conta bancária ou procurar casa.

Em parceria com a organização não-governamental Corações com Coroa e financiado pela secretária de Estado para a Cidadania e a Igualdade, o programa teve início em 2018 e estima ter alcançado mais de 150 portugueses emigrados no Reino Unido.


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
Portugal hoje, um país que incentiva ao regresso
Paulo Pisco
Deputado do PS eleito pelos portugueses na Europa
De olhos postos em África com uma estratégia de futuro
Peter Dawson
Presidente do grupo Garland
Não há tempo para se perder tempo!
Vítor Ramalho
Secretário-Geral da UCCLA
DISCURSO DIRETO
O português que ajudou a 'erguer' as memórias do World Trade Center
Luís Mendes, arquiteto
ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA
«Mobilidade no espaço da lusofonia é um dos maiores desafios»
Teresa Ribeiro, SENEC
PORTUGAL
The last man on the moon
José Caria, diretor-adjunto da PORT.COM
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ