ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

'Homem milagre': o português que esteve morto 21 minutos e acordou a caminho da morgue no Reino Unido
Revista PORT.COM • 27-Mar-2019
'Homem milagre': o português que esteve morto 21 minutos e acordou a caminho da morgue no Reino Unido



Um carteiro português a viver no Reino Unido teve um ataque cardíaco e foi declarado morto pelos médicos. No entanto 'acordou' e agora é considerado o 'homem milagre' português.

João Araújo é um dos muitos portugueses que emigraram para o Reino Unido. O que o distingue é o facto de ter sobrevivido a um ataque cardíaco mesmo depois de ter sido declarado morto pelos médicos, já no hospital. O português viria a acordar quando já estava a ser levado para a morgue, numa maca. Foi há 10 anos, mas ainda hoje o carteiro é conhecido pelo “homem milagre” cada vez que vai à cardiologia do hospital de Gloucester para o acompanhamento regular.

O portal de notícias do Reino Unido, GloucesterLive, conta que a mulher de João Araújo ficou em pânico quando o homem, sentado ao volante, começou a revirar os olhos ao mesmo tempo que agarrava com toda a força o manípulo das mudanças. Depois de ter sido levado para o Gloucestershire Royal Hospital, os médicos fizeram tudo o que podiam para contrariar os efeitos do ataque cardíaco que lhe foi diagnosticado. João Araújo tinha, na altura, 38 anos — foi declarado morto após seis horas de tentativas de reanimação.

A história, que remonta a abril de 2009, seria apenas mais um caso de uma morte por doença cardíaca súbita — não fosse o facto de o homem ter voltado a acordar, 21 minutos depois de ter sido declarado morto, na maca em que estava a ser levado dos cuidados intensivos para a morgue.

João Araújo acordou muito confuso e incapaz de formular respostas a perguntas simples. Era incapaz de reconhecer a família e amigos próximos, primeiros dias.  A partir da segunda semana, porém, a situação clínica começou a melhor de forma rápida, conta o GloucesterLive. Os médicos não têm explicação para o que aconteceu — mas decidiram colocar um dispositivo de regularização de batimento cardíaco, uma espécie de pacemaker, para tentar garantir que a situação não se repita (ao mesmo tempo que regista o batimento cardíaco de João e envia leituras para os médicos que o acompanham). Ao fim de três semanas, estava de volta ao trabalho.

Hoje é conhecido com o “homem milagre” na ala de cardiologia do hospital onde continua a ser seguido.

«Os médicos dizem que eu tenho demasiada energia. Não importa se estou com dores enormes, continuo a trabalhar», diz João Araújo.

Esta não foi a primeira vez que João Araújo teve uma recuperação milagrosa. Em 2005, teve um acidente em Cuenca, em Espanha, que o deixou com o fêmur, a pélvis, quatro costelas e a omoplata partidas. Também perdeu 90 por cento de sangue, danificando o pâncreas e o fígado.

Os médicos disseram que ele nunca iria sobreviver à operação, mas sobreviveu. Depois os médicos disseram que nunca andaria ou moveria os braços novamente mas, mais uma vez, João ‘deu a volta’ aos prognósticos. Ele tem cicatrizes dos ferimentos por todo o corpo. «Eu digo que são as minhas tatuagens» realça.


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
Significado das próximas eleições para a Assembleia da República
Paulo Pisco
Deputado do PS
Incêndios rurais: prevenir é mesmo o melhor remédio
Miguel Freitas
Sec. de Estado das Florestas
Por um regresso seguro a casa
José Artur Neves
Sec. de Estado da Proteção Civil
DISCURSO DIRETO
As vivências da emigração portuguesa nos palcos do teatro
Daniel Bastos, Historiador
PORTUGAL
Defesa de nova visão sobre as comunidades portuguesas
José Luís Carneiro
PORTUGAL
Um eterno e constante devir....
José Caria, diretor-adjunto da PORT.COM
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ