ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Conselheiros portugueses pedem reestruturação consular na 'Carta de Brasília'
Revista PORT.COM • 26-Mar-2019
Conselheiros portugueses pedem reestruturação consular na 'Carta de Brasília'



A reestruturação consular é um dos assuntos em destaque na Carta de Brasília, redigida na sexta-feira, último dia da reunião do Conselho Regional das Comunidades Portuguesas na América do Sul e Central, na capital brasileira.

A transformação de vice-consulados em consulados-gerais é uma das mudanças mais desejadas pelos conselheiros daquela região, devido ao «aumento substancial» de portugueses no continente sul-americano nos últimos dez anos.

«Espera-se a transformação dos vice-consulados nas cidades brasileiras de Belém, Recife e Porto Alegre em consulados-gerais, estatuto retirado por uma mera questão de economia orçamental, o que causou graves problemas às comunidades», afirma a Carta de Brasília.

Os conselheiros defendem ser também fundamental a criação de escritórios consulares na cidade argentina de Comodoro Rivadávia, em Manaus, no Brasil, e nas cidades venezuelanas de Puerto Ordaz e Maracaibo, cujas comunidades portuguesas aí existentes têm de percorrer grandes distâncias até aos postos existentes.

O aumento de funcionários e de máquinas para uma rápida elaboração de cartões do cidadão e passaportes é outros dos pedidos dos conselheiros.

Outra das questões que os conselheiros da América do Sul e Central apontam no documento, o programa de ação para o biénio 2019-2020, é a recusa, por parte do Estado Português, de conceder o Apoio Social a Idosos Carenciados das Comunidades Portuguesas, que, segundo este órgão consultivo, está a causar sofrimento a estas pessoas.

A crise na Venezuela não ficou ausente da reunião, nem do documento final, no qual é pedido a retirada de portugueses daquele país que estejam em situações precárias, quer a nível de saúde, quer económico.

Nesta reunião de conselheiros foram também eleitos o presidente e secretário do Conselho Regional da América Central e do Sul, António Graça (terceiro mandato consecutivo) e Maria de Lourdes de Almeida, respetivamente.

«Somos eleitos para trabalhar pelas comunidades. Ser eleito pela terceira vez, penso que é sinónimo da confiança que eles têm depositado em mim. [Na eleição para o primeiro mandato] olhei para o papel e pensei o que é que ia fazer com aquilo. Tudo era novidade. Fomos evoluindo e formando uma família», declarou António Graça à agência Lusa.

No entanto, António Graça lamentou que o trabalho desenvolvido pelo Conselho das Comunidades Portuguesas não seja devidamente reconhecido e responsabiliza o Governo pela falta de divulgação desse órgão consultivo.

«Acho que tenho de trabalhar para que os conselheiros aproximem mais as comunidades. Muitas pessoas não sabem sequer o que é este conselho. Vou até fazer uma crítica ao Governo, pois tinha de divulgar mais. Muitas vezes chegamos a comunidades que nos perguntam o que é o conselho, acham que somos funcionários do Governo, que moramos em Lisboa», lamentou.

Também a falta de verbas é uma das críticas apontadas ao executivo português.

«Nós trabalhamos bastante, mas o problema é que nós pagamos [as deslocações às comunidades] com o nosso próprio dinheiro, do nosso bolso. Por isso, é um trabalho que temos de gostar. Fazemos o que podemos e vamos indo, mas podia ser bem melhor se tivéssemos ajudas», declarou.


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
Portugal hoje, um país que incentiva ao regresso
Paulo Pisco
Deputado do PS eleito pelos portugueses na Europa
De olhos postos em África com uma estratégia de futuro
Peter Dawson
Presidente do grupo Garland
Não há tempo para se perder tempo!
Vítor Ramalho
Secretário-Geral da UCCLA
DISCURSO DIRETO
O português que ajudou a 'erguer' as memórias do World Trade Center
Luís Mendes, arquiteto
ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA
«Mobilidade no espaço da lusofonia é um dos maiores desafios»
Teresa Ribeiro, SENEC
PORTUGAL
The last man on the moon
José Caria, diretor-adjunto da PORT.COM
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ