ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Conselheiros portugueses pedem reestruturação consular na 'Carta de Brasília'
Revista PORT.COM • 26-Mar-2019
Conselheiros portugueses pedem reestruturação consular na 'Carta de Brasília'



A reestruturação consular é um dos assuntos em destaque na Carta de Brasília, redigida na sexta-feira, último dia da reunião do Conselho Regional das Comunidades Portuguesas na América do Sul e Central, na capital brasileira.

A transformação de vice-consulados em consulados-gerais é uma das mudanças mais desejadas pelos conselheiros daquela região, devido ao «aumento substancial» de portugueses no continente sul-americano nos últimos dez anos.

«Espera-se a transformação dos vice-consulados nas cidades brasileiras de Belém, Recife e Porto Alegre em consulados-gerais, estatuto retirado por uma mera questão de economia orçamental, o que causou graves problemas às comunidades», afirma a Carta de Brasília.

Os conselheiros defendem ser também fundamental a criação de escritórios consulares na cidade argentina de Comodoro Rivadávia, em Manaus, no Brasil, e nas cidades venezuelanas de Puerto Ordaz e Maracaibo, cujas comunidades portuguesas aí existentes têm de percorrer grandes distâncias até aos postos existentes.

O aumento de funcionários e de máquinas para uma rápida elaboração de cartões do cidadão e passaportes é outros dos pedidos dos conselheiros.

Outra das questões que os conselheiros da América do Sul e Central apontam no documento, o programa de ação para o biénio 2019-2020, é a recusa, por parte do Estado Português, de conceder o Apoio Social a Idosos Carenciados das Comunidades Portuguesas, que, segundo este órgão consultivo, está a causar sofrimento a estas pessoas.

A crise na Venezuela não ficou ausente da reunião, nem do documento final, no qual é pedido a retirada de portugueses daquele país que estejam em situações precárias, quer a nível de saúde, quer económico.

Nesta reunião de conselheiros foram também eleitos o presidente e secretário do Conselho Regional da América Central e do Sul, António Graça (terceiro mandato consecutivo) e Maria de Lourdes de Almeida, respetivamente.

«Somos eleitos para trabalhar pelas comunidades. Ser eleito pela terceira vez, penso que é sinónimo da confiança que eles têm depositado em mim. [Na eleição para o primeiro mandato] olhei para o papel e pensei o que é que ia fazer com aquilo. Tudo era novidade. Fomos evoluindo e formando uma família», declarou António Graça à agência Lusa.

No entanto, António Graça lamentou que o trabalho desenvolvido pelo Conselho das Comunidades Portuguesas não seja devidamente reconhecido e responsabiliza o Governo pela falta de divulgação desse órgão consultivo.

«Acho que tenho de trabalhar para que os conselheiros aproximem mais as comunidades. Muitas pessoas não sabem sequer o que é este conselho. Vou até fazer uma crítica ao Governo, pois tinha de divulgar mais. Muitas vezes chegamos a comunidades que nos perguntam o que é o conselho, acham que somos funcionários do Governo, que moramos em Lisboa», lamentou.

Também a falta de verbas é uma das críticas apontadas ao executivo português.

«Nós trabalhamos bastante, mas o problema é que nós pagamos [as deslocações às comunidades] com o nosso próprio dinheiro, do nosso bolso. Por isso, é um trabalho que temos de gostar. Fazemos o que podemos e vamos indo, mas podia ser bem melhor se tivéssemos ajudas», declarou.


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
Defender a União Europeia e os direitos de cidadania
Paulo Pisco
Deputado do PS
Saibamos aumentar a participação cívica das nossas comunidades
José Cesário
Deputado do PSD
O retrato dos votos da emigração
José Caria
Diretor-adjunto da PORT.COM
DISCURSO DIRETO
Dia de Portugal e 5.º aniversário da Revista PORT.COM
Marcelo Rebelo de Sousa
PORTUGAL
Língua portuguesa, um passaporte para o presente e para o futuro
Luís Faro Ramos, pres. do Camões I.P.
PORTUGAL
Função de grande responsabilidade e relevância social
José Luís Carneiro, SEC
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ