ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Portugal não recebeu pedidos de repatriamento «apenas de crianças»
Revista PORT.COM • 09-Abr-2019
Portugal não recebeu pedidos de repatriamento «apenas de crianças»



O ministro dos Negócios Estrangeiros esclareceu que Portugal continua a trabalhar para encontrar «a menos má das soluções» para cidadãos portugueses com ligações aos jihadistas, mas que os pedidos de repatriamento que recebeu «não eram apenas de crianças».

Em declarações aos jornalistas à margem de uma reunião de chefes de diplomacia da União Europeia, no Luxemburgo, Augusto Santos Silva disse ainda não ter «informação oficial» da notícia da morte de uma das crianças de ascendência portuguesa, mas admitiu que, num cenário «infelizmente» com tantas vítimas, é possível, e, a confirmar-se, trata-se de «um triste desenlace».

Relativamente à questão do repatriamento de cidadãos de nacionalidade portuguesa com ligações ao autoproclamado Estado Islâmico, e que se encontram retidos em campos de refugiados, Santos Silva fez questão de esclarecer que o Governo, quando sublinha a necessidade de acautelar a segurança nacional, não está a «considerar crianças de dois, quatro ou cinco anos como ameaças», ao contrário do que «por vezes se sugere».

«Naturalmente que não é isso. O que pode constituir uma ameaça à segurança nacional é o facto de pessoas que voluntariamente participaram em organizações terroristas ou se associaram a essas organizações terroristas poderem regressar ao nosso país sem garantias de que essas suas decisões do passado são do passado e no passado ficaram», declarou.

No mesmo sentido, o ministro refutou que Portugal esteja «a agir de forma diferente do que agiram por exemplo França e Alemanha», como alguns alegam.

«No caso português, os pedidos de repatriamento que nós recebemos não eram apenas de crianças», reforçou o ministro, que se escusou a tornar públicas mais informações sobre o trabalho que está a ser desenvolvido por Portugal, interna e externamente, pois tal poderia «pôr em questão» tudo o que está a ser feito.

Santos Silva já dissera em março passado ser público o caso de duas cidadãs portuguesas - retidas num campo na Síria, depois de capturadas pelas forças curdas ao grupo terrorista, ao qual se terão juntado involuntariamente por seguirem familiares -, que pediram auxílio às autoridades portuguesas.

Na ocasião, o ministro dos Negócios Estrangeiros sublinhou a complexidade desta questão, porque, por um lado, o Estado deve prestar proteção aos nacionais, mas, por outro, não quer em Portugal «pessoas que possam constituir uma ameaça».


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
Portugal hoje, um país que incentiva ao regresso
Paulo Pisco
Deputado do PS eleito pelos portugueses na Europa
De olhos postos em África com uma estratégia de futuro
Peter Dawson
Presidente do grupo Garland
Não há tempo para se perder tempo!
Vítor Ramalho
Secretário-Geral da UCCLA
DISCURSO DIRETO
O português que ajudou a 'erguer' as memórias do World Trade Center
Luís Mendes, arquiteto
ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA
«Mobilidade no espaço da lusofonia é um dos maiores desafios»
Teresa Ribeiro, SENEC
PORTUGAL
The last man on the moon
José Caria, diretor-adjunto da PORT.COM
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ