ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Dois anos após tragédia dos incêndios, Nodeirinho evocou os 11 mortos com poesia e cânticos
Revista PORT.COM • 17-Jun-2019
Dois anos após tragédia dos incêndios, Nodeirinho evocou os 11 mortos com poesia e cânticos



Poesia, cânticos, orações e alguma comoção dominaram uma evocação pública em Nodeirinho, aldeia do concelho de Pedrógão Grande onde morreram 11 pessoas no incêndio de 17 de junho de 2017.

Dezenas de moradores, incluindo aqueles que há dois anos perderam familiares, reuniram-se junto ao Memorial da Fonte da Vida, numa vigília em que homenagearam os 66 mortos e mais de 200 feridos da tragédia, com especial ênfase nos membros da comunidade de Nodeirinho e em Gonçalo da Conceição Correia, que integrava os Bombeiros Voluntários de Castanheira de Pera e que faleceu em 19 de junho de 2017, devido à gravidade das queimaduras.

Dina Duarte leu um texto de celebração da vida, o qual concluiu citando parcialmente o poema "Pedra Filosofal", de António Gedeão, imortalizado pelo cantor Manuel Freire.

Para a moradora, mulher do pintor e artista plástico João Viola, que concebeu o memorial, inaugurado em 2018, na passagem do primeiro aniversário do grande incêndio, importa «acreditar que o sonho comanda a vida».

O bombeiro da Castanheira de Pera, Rui Rosinha, que ficou incapacitado de trabalhar devido aos ferimentos que sofreu no combate às chamas, também compareceu no local, no distrito de Leiria.

E, sentado numa cadeira de rodas, procurou transmitir aos presentes uma mensagem de esperança.

«Vamos viver uma vida diferente, mas vamos conseguir de alguma maneira levar a vida para a frente», disse.

Para Rui Rosinha, que expressou «uma palavra de muita força para todos», os últimos dois anos «foram difíceis» para ele e, em geral, para a população da região.

«[Estes anos] serviram para cada um de nós perceber que somos pequeninos e que queremos ter muita força», disse.

«Algo de novo tem de acontecer dentro de nós», defendeu, por sua vez, Paula Alves, da Associação Fazedores da Mudança.

«O tempo não cura a dor. O que verdadeiramente cura a dor é o amor», acrescentou.

Na cerimónia de várias horas, foi guardado um «minuto de silêncio de gratidão à terra» e foram apresentadas as contas da construção e manutenção do monumento local, custeado com donativos diversos.

O programa terminou com a partilha de um bodo e um concerto de taças tibetanas por João Viola, entre outras atividades.

 

António Costa visita concelhos afetados pelo incêndio de Pedrógão Grande

O primeiro-ministro desloca-se hoje, dia 17 de junho, quando passam dois anos dos incêndios que vitimaram 66 pessoas, aos concelhos de Pedrógão Grande, Castanheira de Pera e Penela.

Logo pela manhã, António Costa, visita habitações reconstruídas afetadas pelos incêndios em Sarzedas do Vasco, concelho de Castanheira de Pera.

Em seguida marca presença numa missa em memória das vítimas dos incêndios na Igreja Matriz de Castanheira de Pera.

Costa participa depois na assinatura de protocolo de Entendimento entre a Associação das Vítimas dos Incêndios de Pedrógão Grande e a Infraestruturas de Portugal, para criação de um Memorial às Vítimas do Incêndio de Pedrógão Grande, que decorrerá na Câmara Municipal de Castanheira de Pera.

A terminar, já da parte da tarde, António Costa estará presente na reunião com os presidentes das Câmaras Municipais dos Municípios afetados pelo incêndio de Pedrógão, que tem lugar em Penela.


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
Macau: uma oportunidade ainda a descobrir
Alberto Carvalho Neto
Presidente da AJEPC
A importância da participação eleitoral nas comunidades
José Luís Carneiro
SECP
4 pilares para a prevenção de Alzheimer
George Perry
Diretor da Fac. de Ciências da Univ. do Texas
DISCURSO DIRETO
A preservação da memória e identidade da emigração portuguesa na toponímia
Daniel Bastos, Historiador
PORTUGAL
Portugal a votos
José Caria, Diretor-Adjunto da PORT.com
PORTUGAL
Lusos em Luanda
Jack Soifer, Consultor Internacional
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ