ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Há uma portuguesa a trabalhar na Xbox em Redmond
Revista PORT.COM • 19-Jun-2019
Há uma portuguesa a trabalhar na Xbox em Redmond



Engenheira de 29 anos afirma que não pretende voltar a Portugal, para além dos períodos de férias.

As novidades apresentadas pela Microsoft na feira de videojogos E3, que decorreu em Los Angeles, tiveram a mão de Catarina Macedo, a única portuguesa que trabalha na Xbox em Redmond, perto de Seattle.

A equipa da gestora de produto foi responsável pelas funcionalidades sociais da nova subscrição GamePass para computador portátil (PC), que a Microsoft apresentou na sua conferência na E3.

«Neste momento estamos muito focados em expandir a nossa estratégia de Xbox Live para o computador», disse à agência Lusa a especialista portuguesa, que esteve em Los Angeles para promover as novidades.

O trabalho que está a fazer na Xbox era um sonho antigo de Catarina Macedo, engenheira de formação, que começou a jogar de forma competitiva ainda na adolescência.

A falta de oportunidades nesta indústria em Portugal levou-a a olhar para fora, apesar de acreditar que existe potencial no mercado e que a Xbox poderá ocupar um espaço mais relevante entre os jogadores portugueses que o que tem agora.

«Daqui, de longe, estou a tentar fazer o meu papel para que Portugal seja olhado com novos olhos e mostrar que há oportunidades para crescer em visibilidade», disse.

Em Seattle, onde reside há quase três anos, a gestora encontrou uma pequena comunidade portuguesa de profissionais altamente qualificados, ligados ao ecossistema de 'startups', a trabalhar na Microsoft ou noutras tecnológicas, como a Amazon.

«Recentemente tenho colegas mais novos que se mudaram de Portugal para cá e isso tem sido muito bom», revelou, notando que a comunidade é composta sobretudo por pessoas mais velhas, que chegaram a Washington há bastante tempo.

A adaptação «custou mais no início», disse a engenheira de 29 anos, frisando que as grandes diferenças culturais e de organização do trabalho obrigaram a um esforço suplementar no primeiro ano.

«Agora começa a ficar mais fácil, porque a minha casa já é em Seattle, não em Portugal», referiu, revelando que não tem intenção de regressar ao país para lá dos períodos de férias e que estar longe da família «é o preço a pagar para seguir os sonhos».


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
Significado das próximas eleições para a Assembleia da República
Paulo Pisco
Deputado do PS
Incêndios rurais: prevenir é mesmo o melhor remédio
Miguel Freitas
Sec. de Estado das Florestas
Por um regresso seguro a casa
José Artur Neves
Sec. de Estado da Proteção Civil
DISCURSO DIRETO
As vivências da emigração portuguesa nos palcos do teatro
Daniel Bastos, Historiador
PORTUGAL
Defesa de nova visão sobre as comunidades portuguesas
José Luís Carneiro
PORTUGAL
Um eterno e constante devir....
José Caria, diretor-adjunto da PORT.COM
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ