ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Saudades levam especialista português a regressar a Malaca para a cozinha dos De Mello
Revista PORT.COM • 04-Jul-2019
Saudades levam especialista português a regressar a Malaca para a cozinha dos De Mello



As saudades levaram o especialista em crioulo Sílvio Moreira de Sousa de regresso ao Bairro Português de Malaca, não para ensinar o dialeto, mas para ajudar na cozinha do restaurante da família De Mello nas festas de São Pedro.

«Eu vivi aqui, tenho não um pé, mas talvez dois dedos do pé na comunidade (...) acabo por me sentir um pouco parte da comunidade e pertença a este local», disse à agência Lusa o professor de português na Universidade de Ciência e Tecnologia de Macau (MUST), de 39 anos, na cidade conquistada pelos portugueses em 1511, na época no coração de um lucrativo comércio de especiarias.

Em 2016 foi convidado para ser bolseiro Fernão Mendes Pinto, um projeto de parceria entre a associação Coração de Malaca e o instituto Camões, e coube-lhe a missão de ensinar português, o crioulo existente em Malaca e ainda de escrever um dicionário trilingue em português, inglês e no crioulo local, intitulado de "Bos podi papiah ku yo?"

«O que eu estive a fazer cá foi ensinar o português europeu, mas tendo muito cuidado de ensinar ao mesmo tempo a língua local», explicou Sílvio Moreira de Sousa, admitindo uma certa ironia por ser um português a ensinar este crioulo aos moradores do Bairro Português em Malaca.

Agora, pelo segundo ano consecutivo, Sílvio Moreira de Sousa faz a viagem desde o antigo território administrado por Portugal, Macau, até à cidade que Diogo Lopes Sequeira, enviado do Rei D. Manuel, aportou para estabelecer relações e dois anos mais tarde Afonso de Albuquerque desembarcou, deixando um legado cultural, patrimonial, linguístico e religioso que dura até aos dias de hoje.

«Já é o segundo ano consecutivo, o que é engraçado», afirmou o professor de português, referindo-se às festividades do São Pedro neste bairro, que todos os anos acolhe «a diáspora toda, não só de Kuala Lumpur, mas também de Singapura, Perth (Austrália) e algumas famílias até vêm de Londres».

No passado fim de semana, para além das habituais barraquinhas, da procissão e bênção dos barcos de pescas, o evento acolheu bandas de música e bailado provenientes de outras comunidades luso-asiáticas, como é o caso do grupo musical "Krontjog Toegoe' que vem de um bairro onde vive uma forte comunidade de descendentes de portugueses em Jacarta.

«Acaba por ser ouro sobre azul» vir às festividades, admitiu, porque por um lado «as amizades continuam a ser trabalhadas» e por outro permite continuar a «fazer pesquisa, andar a conversar com as pessoas e falar com as pessoas e simplesmente ouvir como elas dizem [as palavras], os pequenos pormenores da língua que lendo um livro, ou tendo só a comunicação esporádica com a população, não é possível».

O facto de ser convidado há dois anos seguidos acontece por ter sido «extremamente bem recebido e por ter criado laços de amizade. Vim para cá de braços abertos e cabeça limpa» e isso ajuda, admitiu.


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
Significado das próximas eleições para a Assembleia da República
Paulo Pisco
Deputado do PS
Incêndios rurais: prevenir é mesmo o melhor remédio
Miguel Freitas
Sec. de Estado das Florestas
Por um regresso seguro a casa
José Artur Neves
Sec. de Estado da Proteção Civil
DISCURSO DIRETO
A emigração portuguesa para a Holanda
Daniel Bastos, Historiador
PORTUGAL
Defesa de nova visão sobre as comunidades portuguesas
José Luís Carneiro
PORTUGAL
Um eterno e constante devir....
José Caria, diretor-adjunto da PORT.COM
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ