ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Novo chefe do Governo de Macau é «ativo, sensato e sensível à comunidade portuguesa»
Revista PORT.COM • 27-Ago-2019
Novo chefe do Governo de Macau é «ativo, sensato e sensível à comunidade portuguesa»



Ativo, sensato, interventivo, conhecedor dos desígnios nacionais e sensível à comunidade portuguesa: é este o perfil que membros da comissão eleitoral contactados pela agência Lusa traçaram do chefe do Executivo de Macau eleito no domingo.

Hot Iat Seng, de 62 anos, ex-presidente da Assembleia Legislativa (AL) de Macau, único candidato ao cargo de chefe do Executivo após ter recebido o aval de Pequim, foi eleito com 392 votos a favor, sete em branco e um nulo de uma comissão eleitoral composta por 400 membros e toma posse a 20 de dezembro, substituindo Fernando Chui Sai On, há uma década no cargo.

«Estamos perante uma pessoa com uma capacidade de intervenção muito superior ao que temos visto" no ainda chefe do Governo em funções, disse à agência Lusa o membro da comissão eleitoral e presidente da Associação dos Macaenses (ADM), Miguel de Senna Fernandes, que vê na personalidade sensata, dinâmica e interventiva de Hot Iat Seng «bons sinais» para desempenhar o cargo, restando agora esperar que «estas boas impressões se confirmem na prática».

«Gostaria que o atual chefe do Executivo tivesse sido muito mais interventivo em questões importantíssimas de Macau e frustrou-me um bocado a sua atuação. Só espero que isto não se repita com o novo», apontou o também responsável há 25 anos pelo grupo de teatro Dóci Papiaçám di Macau, que procura preservar o crioulo português do território.

Também o arquiteto Carlos Marreiros, um dos 400 membros da comissão eleitoral, deposita expetativas positivas no futuro chefe do Executivo. Apesar de não querer fazer comparações com o atual líder do território, partilha da opinião de Miguel de Senna Fernandes de que Hot Iat Seng tem uma personalidade mais ativa do que aquela demonstrada por Fernando Chui Sai On nos últimos 10 anos.

Ambos sublinharam as ações e as palavras que o ex-presidente da AL de Macau teve para com a comunidade portuguesa.

«Teve sensibilidade suficiente para dizer sim à comunidade portuguesa e isso é muito importante», afirmou Miguel de Senna Fernandes.

Para o ex-deputado Leonel Alves, que esteve na AL 33 anos, tanto durante a administração portuguesa como na chinesa, o facto de Hot Iat Seng ter pertencido durante 20 anos ao Comité Permanente da Assembleia Popular Nacional da China, o «órgão supremo do poder de Estado», à luz da Constituição chinesa, dá-lhe um «profundo conhecimento de como funciona o Estado chinês».

Por isso, sublinhou, entende a necessidade da interação com as regiões vizinhas de Macau que integram a Grande Baía, uma metrópole mundial que Pequim está a criar e que integra Macau, numa região com mais habitantes do que nações como França, Reino Unido ou Itália.

A Grande Baía junta Hong Kong, Macau e nove cidades da província de Guangdong, com cerca de 70 milhões de habitantes e um Produto Interno Bruto que ronda os 1,3 biliões de dólares - maior que o PIB da Austrália, Indonésia e México, países que integram o G20.

Para Leonel Alves, Hot Iat Seng está em «sintonia com as grandes políticas e com os grandes desígnios nacionais» que são necessários para a concretização deste plano de Pequim, desvalorizando o facto de Ho nunca ter tido qualquer experiência governativa.

«Assim não tem vícios», frisou.

O novo chefe do Governo de Macau estreou-se como deputado em 2009, ano em que foi eleito para o cargo de vice-presidente da AL. Quatro anos depois, em 2013, Ho Iat Seng foi escolhido para presidente daquele órgão. Até abril deste ano foi um dos 175 membros do Comité Permanente da Assembleia Popular Nacional chinesa.

Para além disso, apontou o advogado Leonel Alves, o agora eleito chefe do Executivo conhece muito bem a situação económica de Macau, as suas potencialidades, a necessidade de atrair capitais no exterior e se possível dos países lusófonos, para Macau poder desempenhar o seu papel de plataforma de Pequim com os países de língua portuguesa.

Tem, por isso, «uma visão muito adequada para a próxima década de Macau», referiu Leonel Alves, apostando já num segundo mandato de Hot Iat Seng.

Também a empresária Pansy Ho, membro da comissão eleitoral, filha do magnata do jogo Santley Ho, considerou Ho Iat Seng a pessoa certa para ocupar o cargo de chefe do Governo.

Em entrevista à agência Lusa, em meados de julho, a multimilionária, uma das acionistas de referência da Sociedade de Jogos de Macau e da MGM China, sociedades que exploram o jogo em Macau, disse estar convencida de que Ho Iat Seng é capaz de liderar a nova geração e para uma nova era de gestão de recursos.

Na AL, «viu e estudou os problemas que Macau enfrenta, (...) sabe de experiência direta quais são os problemas», explicou a empresária.

Agora, um dos principais objetivos do mandato do quinto chefe do Executivo desde a transferência da administração do território de Portugal para a China é o combate aos poderes instalados, destacaram os membros da comissão eleitoral contactados pela agência Lusa nos últimos dias da campanha eleitoral.

Ao longo dos 20 anos, explicou o único deputado português no parlamento de Macau, José Maria Pereira Coutinho, «interesses e empresários criaram raízes» e estabeleceram «monopólios artificiais».

«Para quebrar esses monopólios não vai ser fácil porque estão nas famílias tradicionais que têm governado ao longo dos últimos 20 anos», antecipou o também conselheiro das comunidades portuguesas e membro da comissão eleitoral, por inerência ao cargo de deputado.

«Os poderes instalados, que existem, têm de saber que existe um chefe do Executivo», referiu, por outro lado, Miguel de Senna Fernandes, esperando «total independência, total isenção e coragem política» de Ho Iat Seng.


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
Macau: uma oportunidade ainda a descobrir
Alberto Carvalho Neto
Presidente da AJEPC
A importância da participação eleitoral nas comunidades
José Luís Carneiro
SECP
4 pilares para a prevenção de Alzheimer
George Perry
Diretor da Fac. de Ciências da Univ. do Texas
DISCURSO DIRETO
A preservação da memória e identidade da emigração portuguesa na toponímia
Daniel Bastos, Historiador
PORTUGAL
Portugal a votos
José Caria, Diretor-Adjunto da PORT.com
PORTUGAL
Lusos em Luanda
Jack Soifer, Consultor Internacional
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ