ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Macaenses aprendem o crioulo que incorpora português e chinês
Revista PORT.COM • 23-Fev-2017
Macaenses aprendem o crioulo que incorpora português e chinês



O curso é aberto a todos, mas foi particularmente pensado para a comunidade macaense.

Vários macaenses marcaram ontem presença na primeira aula de patuá, crioulo de base portuguesa de Macau, na Universidade de São José (USJ), na esperança de aprenderem mais sobre a história e a língua falada pelos seus avós.

As aulas de patuá são um projeto antigo do linguista Alan Baxter, antigo diretor do Departamento de Português da Universidade de Macau (2007 - 2011) e especialista em crioulos de base portuguesa, que no ano passado regressou a Macau para dirigir a Faculdade de Humanidades da USJ.

"É importante [organizar estas aulas] porque não se fazem noutra instituição e acho importante a comunidade conhecer mais a realidade da sua língua tradicional, saber mais sobre a história, também sobre o funcionamento da língua, quais são as palavras que a integram e como é a gramática da língua", explicou, indicando que "não são precisamente aulas de patuá", mas "um curso sobre a escrita em patuá", em que se vão ler textos em patuá dos séculos XIX e XX.

No entanto, "é bem provável que alguns [alunos] saiam falando alguma coisa", já que vão ser lidas e representadas peças de teatro nas fases finais.

O patuá, derivado do crioulo 'kristang' de Malaca e que incorpora português e chinês, foi em tempos língua corrente da comunidade macaense, mas acabou por cair em desuso. Hoje, o dialeto é preservado essencialmente através do grupo de teatro Dóci Papiaçam di Macau, que encena uma peça por ano maioritariamente falada no crioulo.


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
Portugal hoje, um país que incentiva ao regresso
Paulo Pisco
Deputado do PS eleito pelos portugueses na Europa
De olhos postos em África com uma estratégia de futuro
Peter Dawson
Presidente do grupo Garland
Não há tempo para se perder tempo!
Vítor Ramalho
Secretário-Geral da UCCLA
DISCURSO DIRETO
O português que ajudou a 'erguer' as memórias do World Trade Center
Luís Mendes, arquiteto
ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA
«Mobilidade no espaço da lusofonia é um dos maiores desafios»
Teresa Ribeiro, SENEC
PORTUGAL
The last man on the moon
José Caria, diretor-adjunto da PORT.COM
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ