ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Brasileiros em Portugal exigiram destituição de Temer e eleições
Revista PORT.COM • 04-Ago-2017
Brasileiros em Portugal exigiram destituição de Temer e eleições



Ao som de gritos de "Fora Temer!", cerca de 20 brasileiros a viver em Portugal manifestaram-se ontem no Largo Camões, em Lisboa, para exigir a demissão do presidente em funções, que dizem não ter legitimidade, e eleições gerais imediatas

"Eleições gerais já" era a exigência pintada a letras garrafais numa faixa que os membros do Coletivo Andorinha - Frente Democrática Brasileira de Lisboa, que convocou o protesto, seguravam no meio do Largo Camões, enquanto gritavam palavras de ordem como 'Fora Temer' contra o presidente brasileiro, que querem ver afastado do cargo.

"Não há legitimidade e era preciso que tivessem, e é isso que estamos defendendo, eleições gerais e já, convocadas por Dilma Roussef, que deve restituir o seu mandato, porque ficou comprovado que ela não tinha responsabilidade [nos crimes de que era acusada]. Esperamos que ela retorne, assuma o comando do executivo e convoque eleições gerais e já", disse à agência Lusa Nilton de Sousa, membro do Coletivo Andorinha.

O ativista disse que "ficou demonstrado que ela [Dilma Roussef] não teve responsabilidade nenhuma e foi destituída" e que agora que Michel Temer "está coberto de denúncias, não é investigado", pelo congresso que "teve a petulância de destituir a presidente sem crime de responsabilidade".

Nilton de Sousa acusou Michel Temer de destruir "o mínimo" que o Brasil tinha de Estado de direito, e de obrigar a população brasileira a viver numa "situação completamente opressiva".

Naire Valadares, brasileira a viver em Portugal há vários anos, membro do Coletivo Andorinha, e que se considera para o grupo a "andorinha mãe, talvez até a andorinha avó", tendo em conta a sua idade, brincou, explicando que a sua presença no protesto se soma a muitos protestos anteriores, cá e no Brasil.

Resistente da ditadura militar no Brasil, que durou mais de duas décadas, entre 1964 e 1985, lembrou as lutas que travou enquanto estudante de Direito, mas entre esses tempos e os dias que o Brasil vive hoje só encontra uma semelhança: "o golpe" [de Estado, que imputam a Michel Temer pela destituição de Dilma Roussef].

"A semelhança que vejo é só o golpe, mas as diferenças existem e existe uma grande diferença. Lá atrás, não é ser saudosista, a gente resistia. Havia as guerrilhas e uma série de ações para combater a ditadura. Eu acho que o povo está muito acomodado e isso eu credito muito à mídia, especialmente à rede Globo, à revista Veja e também às igrejas evangélicas", disse Naire Valadares.

Também Nilton de Sousa denunciou aquilo que considera ser uma "contaminação da justiça e da imprensa" no Brasil, considerando um erro procurar informação sobre a situação brasileira entre aquela que é produzida pelos órgãos de comunicação social brasileiros.

Entende também que a justiça "perdeu o sentido pleno no Brasil", acusando o sistema de justiça do seu país de origem de fazer uma "perseguição seletiva", dando como exemplo o caso do ex-presidente Lula da Silva, com quem o protesto de ontem se solidarizou, e que Nilton de Sousa diz ser vítima de "uma denúncia infundada".


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
A Santa Casa da Misericórdia de Paris
Daniel Bastos
Historiador
Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades
José Cesário
Deputado
Ser português fora é ter Portugal dentro
Isabelle Coelho-Marques
Presidente da NYPALC
DISCURSO DIRETO
Portugal Maior
José Caria, diretor-adjunto da PORT.COM
PORTUGAL
«Português é uma língua com valor universal»
Luís Faro Ramos, presidente do Instituto Camões
PORTUGAL
«A China está pronta para nos acolher»
José Augusto Duarte, Embaixador de Portugal na China
CHINA
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ