ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Moçambique vai começar a explorar maior depósito de grafite do mundo
Revista PORT.COM • 01-Set-2017
Moçambique vai começar a explorar maior depósito de grafite do mundo



Moçambique aprovou, esta semana, o contrato para a exploração do maior depósito de grafite do mundo, em Balama, província de Cabo Delgado, mineral que deverá ser usado em baterias de carros elétricos, anunciou a empresa concessionária.

As fotografias de desenvolvimento do projeto estão em destaque no portal da empresa mineira australiana Syrah Resources.

A firma explica que a procura por grafite está em alta a nível mundial por ser um componente usado em baterias, numa altura em que o mercado de automóveis movidos a eletricidade e outros produtos elétricos está em expansão.

A Syrah aposta na extração e processamento para obter "grafite esférica revestida", um produto processado de "alto valor", usado para conduzir eletricidade em baterias de lítio.

Neste contexto, a mina de Balama será "a principal produtora mundial de grafite de alta pureza", destaca.

"A produção de Balama é direcionada para fornecer mercados tradicionais de grafite industrial e mercados emergentes de tecnologia", sendo que a Syrah "concluiu com sucesso um extenso trabalho de teste de certificação com vários produtores de baterias para o uso de grafite esférica de Balama".

A empresa diz estar agora "focada no avanço das atividades de desenvolvimento do Projeto Balama e intensificou as ações de marketing, com vista a tratar da primeira produção no terceiro trimestre de 2017", ou seja, até final de setembro.

O Governo moçambicano aprovou na terça-feira os termos do contrato mineiro para a extração de grafite em Balama com a empresa Twigg Exploration and Mining, subsidiária da Syrah, por um prazo de 25 anos renováveis e prevendo-se um investimento mínimo a rondar 88 mil milhões de dólares norte-americanos.

A concessionária adquire o direito de extração, processamento, armazenamento e comercialização dos produtos mineiros.

A existência de valiosos depósitos subterrâneos de grafite na província de Cabo Delgado já tinha motivado também o investimento da multinacional alemã AMG Graphit Kropfmuhl.

A 28 de junho, a empresa iniciou formalmente a produção de grafite na mina de Ancuabe, tendo investido 12 milhões de dólares, empregando 100 trabalhadores, 60 dos quais moçambicanos.

O arranque foi o culminar de cerca de cinco anos de reabilitação da infraestrutura, que estava paralisada na sequência da guerra civil de 16 anos, que terminou em 1992.

Desde o século XIX que a existência de grafite é motivo de realce no norte de Moçambique.

De acordo com o portal da Syrah, o geólogo e engenheiro John Furman, ao serviço da Companhia do Niassa, foi o primeiro a documentar o "grande depósito de grafite" de "alta qualidade" na região de Balama em 1893.


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
Portugal hoje, um país que incentiva ao regresso
Paulo Pisco
Deputado do PS eleito pelos portugueses na Europa
De olhos postos em África com uma estratégia de futuro
Peter Dawson
Presidente do grupo Garland
Não há tempo para se perder tempo!
Vítor Ramalho
Secretário-Geral da UCCLA
DISCURSO DIRETO
O português que ajudou a 'erguer' as memórias do World Trade Center
Luís Mendes, arquiteto
ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA
«Mobilidade no espaço da lusofonia é um dos maiores desafios»
Teresa Ribeiro, SENEC
PORTUGAL
The last man on the moon
José Caria, diretor-adjunto da PORT.COM
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ