ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

São-Tomé distribui para venda mil toneladas de donativo de arroz da China
Revista PORT.COM • 18-Set-2017
São-Tomé distribui para venda mil toneladas de donativo de arroz da China



O Governo são-tomense iniciou este fim-de-semana a distribuição para venda à população das mil toneladas de arroz que recebeu há cerca de duas semanas como donativo da China Popular.

"Já iniciámos a distribuição para as lojas, o arroz será vendido para o consumidor a 13 mil dobras (pouco mais de cinco cêntimos de euro) o quilo, igual ao preço que praticamos na venda do arroz donativo do Japão", disse fonte da direção geral do comércio.

Há cerca de duas semanas, a China entregou ao Governo mil toneladas de arroz, no âmbito do programa de ajuda alimentar ao executivo são-tomense.

Esta oferta suprimiu a carência deste produto no mercado onde o chamado arroz do Japão escasseou há mais de oito meses, altura em que os importadores privados começaram a comercializar este produto por 35 mil dobras (1,4 euros) o quilo.

"Realmente, essa ajuda de mil toneladas de arroz vem minimizar um pouco a carência desse produto no mercado", reconheceu o ministro das finanças, comércio e economia azul, Américo Ramos.

"O arroz tornou-se num produto que, neste momento, se destaca no cabaz básico da população", acrescentou o governante, sublinhando "a importância da cooperação com a China no âmbito da segurança alimentar".

O arroz encontra-se no país há cerca de duas semanas, mas só agora está a ser distribuído para as empresas porque o Governo do arquipélago precisava "fazer alguns cenários" sobre os preços a praticar.

O arroz da China chega a São Tomé a pedido das autoridades deste país para fazer face à ausência da importação da ajuda japonesa que se esgotou há cerca de um ano.

"Esta doação é o resultado mais recente da cooperação bilateral e uma nova prova de amizade existente entre a China e São Tomé e Príncipe e isso demonstra, mais uma vez, o sentimento amistoso do povo chinês para com o povo são-tomense", disse, por seu lado, o embaixador chinês, Wang Wei.

Ao todo são 40 contentores de arroz que as autoridades acreditam durar "entre dois a três meses" no mercado, altura em que já deverá estar no país o donativo do Japão.

Vários comerciantes, principalmente os do interior, reclamam ainda não terem recebido o arroz.

"Ainda estamos à espera que nos chamem", disse um comerciante do distrito de Lembá.


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
A Santa Casa da Misericórdia de Paris
Daniel Bastos
Historiador
Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades
José Cesário
Deputado
Ser português fora é ter Portugal dentro
Isabelle Coelho-Marques
Presidente da NYPALC
DISCURSO DIRETO
Portugal Maior
José Caria, diretor-adjunto da PORT.COM
PORTUGAL
«Português é uma língua com valor universal»
Luís Faro Ramos, presidente do Instituto Camões
PORTUGAL
«A China está pronta para nos acolher»
José Augusto Duarte, Embaixador de Portugal na China
CHINA
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ