ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Crescimento nos países lusófonos limitado pela elevada dívida pública
Revista PORT.COM • 13-Dez-2017
Crescimento nos países lusófonos limitado pela elevada dívida pública



A elevada dívida pública está a limitar o crescimento económico nas maiores economias lusófonas. Em Angola, a maior economia lusófona em África, a dívida pública chega aos 65%.

A analista de assuntos económicos com o pelouro de África nas Nações Unidas, Helena Afonso, considerou que nos maiores países lusófonos a elevada dívida pública é um dos constrangimentos a um maior crescimento económico.

No seguimento da divulgação do mais importante relatório económico anual das Nações Unidas, Helena Afonso sustentou que no caso do Brasil, a maior economia lusófona, “permanecem desequilíbrios macroeconómicos significativos, particularmente relacionados ao alto nível da dívida pública” e com a incerteza política.

Em Angola, a maior economia lusófona em África, a dívida pública ronda os 65% este ano, tendo subido cerca de 20 pontos percentuais nos últimos anos, fruto da descida do preço do petróleo e do recurso ao endividamento para compensar a consequente quebra de receitas.

“Além da dependência da produção de petróleo, existem outros entraves a um maior crescimento, tais como baixa liquidez cambial, défice e inflação elevadas”, vincou a analista portuguesa a trabalhar em Nova Iorque.

Em Moçambique, a dívida pública é um dos mais significativos entraves ao crescimento económico, já que o país está em incumprimento financeiro e num impasse com o Fundo Monetário Internacional (FMI) relativamente à divulgação total de uma auditoria feita a empréstimos de empresas públicas contraídos de forma secreta.

“O peso da dívida pesará na confiança dos investidores e o défice e inflação elevadas limitarão um crescimento maior do PIB”, vaticinou Helena Afonso.

“O progresso nas negociações de paz e estabilização contribuíram para o crescimento em 2017, mas no futuro o crescimento manter-se-á limitado porquanto as negociações não sejam concluídas com sucesso”, acrescentou, notando ainda que “o crescimento futuro mantém-se dependente também do preço das matérias-primas, em particular do preço do carvão e do preço do gás.

Numa breve análise aos restantes países do universo da lusofonia, a analista com o pelouro africano nas Nações Unidas disse que “em São Tomé e Príncipe, o PIB deverá seguir numa média pouco acima de 5% em 2018-2019, baseado em investimento público em infraestruturas e nos setores do turismo, construção e agricultura”.

Em Cabo Verde a expansão económica de 4% será “apoiada pelo turismo e pelos envios de remessas de emigrantes, que beneficiam ambos de condições globais mais benignas”.

A Guiné Equatorial, o mais recente membro da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), “deverá continuar em recessão no período 2018-2019 à medida que se ajusta ao menor preço do petróleo desde 2014 e a um nível mais baixo de produção de petróleo”, pelo que precisa de “aumentar as receitas de setores que não o dos hidrocarbonetos e reduzir o défice fiscal para manter a estabilidade macroeconómica”.

Sobre a Guiné-Bissau, Helena Afonso notou que o crescimento deverá manter-se em torno dos 5% devido ao “preço elevado da castanha de caju; no entanto, a incerteza a nível político e um ambiente de investimento difícil irão conter um crescimento maior”.

O relatório das Nações Unidas sobre a Situação Mundial e Perspetivas Económicas (WESP) defende que o crescimento global de 3%, o maior desde 2011, deve fazer os decisores políticos apostarem em temas de longo prazo.

“A perspetiva de evolução para África permanece sujeita a vários riscos” internos e externos, refere o documento sobre o continente africano.

A descida dos ‘ratings’, das exportações ou uma inversão do crescimento dos preços das matérias-primas são alguns dos fatores que podem fazer diminuir o Investimento Direto Estrangeiro e as remessas dos emigrantes, o que pode ameaçar o fôlego da retoma, notam os analistas das Nações Unidas.

Internamente, concluem, os maiores riscos para os países africanos, que deverão crescer 3,5% e 3,7% nos próximos dois anos, estão na ausência de políticas de ajustamento aos preços mais baixos das matérias-primas.


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
Portugal hoje, um país que incentiva ao regresso
Paulo Pisco
Deputado do PS eleito pelos portugueses na Europa
De olhos postos em África com uma estratégia de futuro
Peter Dawson
Presidente do grupo Garland
Não há tempo para se perder tempo!
Vítor Ramalho
Secretário-Geral da UCCLA
DISCURSO DIRETO
O português que ajudou a 'erguer' as memórias do World Trade Center
Luís Mendes, arquiteto
ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA
«Mobilidade no espaço da lusofonia é um dos maiores desafios»
Teresa Ribeiro, SENEC
PORTUGAL
The last man on the moon
José Caria, diretor-adjunto da PORT.COM
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ