ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Manuel Alegre recebe o Prémio Camões 2017 e 'celebra o esplendor da Língua Portuguesa'
Revista PORT.COM • 03-Fev-2018
Manuel Alegre recebe o Prémio Camões 2017 e 'celebra o esplendor da Língua Portuguesa'



A investigadora Paula Morão, que presidiu ao júri do Prémio Camões 2017, disse que 'Manuel Alegre, como Luís de Camões, celebra o esplendor da Língua Portuguesa'.

Paula Morão falava na cerimónia de entrega do prémio ao escritor Manuel Alegre, que decorreu no Palácio Nacional da Ajuda, em Lisboa, à qual assistiram, entre outras personalidades, o presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues, o presidente da Academia das Ciências de Lisboa, Artur Anselmo, a presidente da Assembleia Municipal de Lisboa, Helena Roseta, o presidente da câmara da capital, Fernando Medina, e o ensaísta Eduardo Lourenço.

"A obra de Manuel Alegre, por circunstâncias extraliterárias, constituiu e constitui, livro a livro, um perfil gravando a fogo a memória e o imaginário em que muitos portugueses se reconhecem: primeiro era uma luz, um surdo clamor de liberdade, depois volveu-se em canto límpido e liberto", declarou Morão.

A investigadora recordou os propósitos do prémio, criado pelos governos de Portugal e do Brasil, em 1989, e que no seu regulamente estabelece que deve ser entregue tendo em conta o "valor intrínseco" da obra do distinguido e o contributo "para o enriquecimento do património literário e cultural da língua comum".

Referenciando o percurso de Manuel Alegre, de 81 anos, Paula Morão, assinalou a sua "profícua obra poética", que "apresenta um conjunto de características que, para lá de circunstancialismos e de fatores externos à literatura, constituem marcos do que de melhor o género lírico em Portugal apresenta desde a década de sessenta de novecentos até ao presente".

A investigadora disse que o júri, ao qual presidiu, reunido no Rio de Janeiro, em junho do ano passado, ao escolher Manuel Alegre "considerou que a sua obra vasta e multímoda justifica plenamente a distinção".

Além de Paula Morão, constituíram o júri Leyla Perrone-Moisés, José Luís Jobim, José Luís Tavares, Lourenço do Rosário e Maria João Reynaud.

O primeiro-ministro, António Costa, num discurso no qual cumprimentou "o amigo e camarada", apontou Alegre como "poeta da liberdade e sempre livre".

Por seu lado, o embaixador do Brasil em Lisboa, Luiz Alberto Figueiredo Machado, afirmou que Portugal e Brasil irão continuar a trabalhar em conjunto pelo engrandecimento da Língua Portuguesa e referiu-se ao Prémio Camões como um dos mais importantes da literatura universal.

A cerimónia encerrou com a atuação de Maria Ana Bobone, que interpretou dois poemas de Manuel Alegre, que se emocionou ao ouvi-la.

Aos jornalistas, Manuel Alegre realçou que a sua poesia muito deve ao facto de ter sido declamada e cantada, realçando Amália Rodrigues que foi a primeira a cantá-lo, tendo gravado a "Trova do Vento que Passa" antes do 25 de Abril de 1974.

Adriano Correia de Oliveira, João Portugal, Luís Cília e José Afonso, foram outros nomes que recordou, assim como João Braga, presente na cerimónia, e que é quem mais poemas seus gravou.


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
A CPLP mais perto das pessoas
Francisco Ribeiro Telles
Secretário Executivo da CPLP
Gestão multicultural das equipas
António Cunha Meneses Abrantes
Professor Auxiliar na ICN Business School de Nancy
Já se ouve o Fado na Eslovénia
João Pita Costa
Editor da revista luso-eslovena Sardinha
DISCURSO DIRETO
Memórias e recordações da emigração portuguesa na Alemanha
Daniel Bastos
PORTUGAL
«Existe muita exploração laboral perpetrada por portugueses»
Luísa Semedo
FRANÇA
«Mercado chinês tem potencial para as empresas portuguesas»
José Augusto Duarte
CHINA
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ