ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Países africanos lusófonos estão 'no grau zero' de conhecimento mútuo
Revista PORT.COM • 14-Fev-2018
Países africanos lusófonos estão 'no grau zero' de conhecimento mútuo



O escritor moçambicano Mia Couto defendeu, na cidade da Praia, que os países africanos lusófonos 'estão no grau zero' de conhecimento cultural mútuo, adiantando que continua a 'existir um triângulo tipicamente colonial' no seu relacionamento.

"Estamos no grau zero. Para conhecer o que se passa ou o que se faz em Cabo Verde ou em Angola ou na Guiné-Bissau ou em São Tomé e Príncipe tenho de ir à Europa, passo por Portugal. Esse triângulo tipicamente colonial continua a existir", disse Mia Couto.

O escritor moçambicano esteve em Cabo Verde, onde foi recebido pelo chefe de Estado cabo-verdiano, Jorge Carlos Fonseca, depois de ter participado numa conversa no âmbito do festival literário Morabeza.

Em declarações aos jornalistas, sublinhou a quase inexistência de trocas no domínio da literatura e o fraco conhecimento em outras áreas, ressalvando a exceção cabo-verdiana na música.

"Cabo Verde é uma exceção porque é um grande centro de exportação de música", disse.

Por isso, o escritor elogiou a decisão da futura presidência cabo-verdiana da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) de eleger como prioridade a criação de um mercado comum de arte e cultura lusófonas.

"Isso é muito bom. Faz falta. É preciso que se roube a iniciativa que agora esta completamente nas mãos do mercado. Quem tem o critério de edição é o mercado e isso sozinho não basta. É preciso que haja qualquer coisa que force um outro critério. Um jovem que não tem venda e que é bom tem de ser apoiado por alguém e esse alguém tem de ser o Estado, uma outra voz", disse.

Durante a conversa com o público, que decorreu na Biblioteca Nacional, o escritor defendeu também a existência da "figura de um editor" para a literatura portuguesa, considerando que tornaria a escrita "mais interessante".

"No mundo da língua portuguesa também faz falta uma figura de um editor, como há na literatura anglo-saxónica. O editor intervém na escrita e discute com o autor, portanto ele é quase um coautor. Na língua portuguesa acontece o contrário, o autor é como uma entidade divina", concluiu.

 


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
O Observatório dos Lusodescendentes
Daniel Bastos
Historiador
La Lys: Celebrações com sentido reparador
Paulo Pisco
Deputado do PS
Ser português fora é ter Portugal dentro
Isabelle Coelho-Marques
Presidente da NYPALC
DISCURSO DIRETO
A Oriente nada de novo?
José Caria
PORTUGAL
“Acreditem no potencial que existe nas comunidades”
Isabelle Coelho-Marques
PORTUGAL
“Não foi por acaso que Portugal foi o melhor destino do mundo em 2017”
Pedro Machado
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ