ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Universidades de sete países lusófonos unem-se para disponibilizar ensino à distância
Revista PORT.COM • 11-Mai-2018
Universidades de sete países lusófonos unem-se para disponibilizar ensino à distância



Universidades de sete países lusófonos juntaram-se na primeira associação de educação à distância, com o objetivo de promover a inclusão através do ensino e criar uma oferta educativa conjunta.

A Associação de Educação à Distância dos Países de Língua Portuguesa, criada pela Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), integra a Universidade Aberta (Portugal), Universidade Agostinho Neto (Angola), Universidade de São Paulo (Brasil), Universidade de Cabo Verde, Universidade Eduardo Mondlane (Moçambique), Universidade de São Tomé e Príncipe e Universidade Nacional de Timor-Lorosae.

«O grande objetivo da associação passa por promover a língua portuguesa como língua de conhecimento, inovação e de valor na sociedade digital, através da educação à distância, que é um fator de inclusão social e é, cada vez mais, um meio para ultrapassar as barreiras ao acesso ao ensino», afirmou o reitor Paulo Dias.

O reitor da Universidade Aberta realçou que alguns países lusófonos têm «grandes necessidades» desta forma de ensino, como é o caso do Brasil, por ser um país muito grande, ou Cabo Verde e São Tomé e Príncipe, arquipélagos.

Além de promover a inclusão, a «visão estratégica da associação é de desenvolver qualidade e confiança no sistema», apontou o reitor, recordando que os alunos da Universidade Aberta, espalhados por 31 países, fazem exames presenciais duas vezes por ano.

Com a associação criada, as instituições de ensino vão poder «trocar experiências e criar uma oferta educativa conjunta, envolvendo as várias universidades dos diferentes países, que seja capaz de servir a comunidade de falantes de português no mundo». Ainda segundo Paulo Dias, «a educação à distância é um meio para unir todos estes países e todas estas comunidades».

Questionado sobre a falta de cobertura tecnológica em todos os territórios lusófonos, Paulo Dias anunciou que este processo vai funcionar como «um meio de pressão» para «acelerar a digitalização destes países». No entanto, segundo Paulo Dias, a ausência de internet não é um impedimento para a educação à distância, que pode ser garantida, por exemplo, através de uma ‘pen-drive’.

«O futuro passa necessariamente pela utilização de sistemas de educação não presenciais em todas as instituições, a própria sociedade vai exigir isso delas», considerou o responsável da Universidade Aberta.

O lançamento desta associação, formalizada esta semana, inseriu-se nas comemorações do Dia da Língua Portuguesa e da Cultura da CPLP, que se assinalou a 5 de maio.


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
Significado das próximas eleições para a Assembleia da República
Paulo Pisco
Deputado do PS
Incêndios rurais: prevenir é mesmo o melhor remédio
Miguel Freitas
Sec. de Estado das Florestas
Por um regresso seguro a casa
José Artur Neves
Sec. de Estado da Proteção Civil
DISCURSO DIRETO
As vivências da emigração portuguesa nos palcos do teatro
Daniel Bastos, Historiador
PORTUGAL
Defesa de nova visão sobre as comunidades portuguesas
José Luís Carneiro
PORTUGAL
Um eterno e constante devir....
José Caria, diretor-adjunto da PORT.COM
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ