ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Ramos-Horta incita Casa de Portugal a apoiar a Língua portuguesa em Timor
Revista PORT.COM • 13-Jun-2018
Ramos-Horta incita Casa de Portugal a apoiar a Língua portuguesa em Timor



O ex-Presidente da República timorense, José Ramos Horta, desafiou a Casa de Portugal em Timor-Leste, a associar-se aos esforços do Governo timorense e ao apoio do Governo português para o fortalecimento da língua lusa no país.

Segundo Ramos Horta, a Casa de Portugal vai secundar os esforços do Governo timorense e do Governo português em expandir a Língua portuguesa. O português não está a desaparecer em Timor, está a aparecer. Em 1975 praticamente não havia português e hoje as estatísticas oficiais falam de 23% a falar a língua.

O ex-presidente da república esteve presente na apresentação pública da Casa de Portugal de Timor-Leste, que decorreu este sábado no Centro Cultural da Embaixada de Portugal em Díli, espaço que acolhe, temporariamente, o que é a primeira associação portuguesa de Timor-Leste. A cerimónia ficou marcada pela assinatura da adesão formal à associação dos seus 25 primeiros fundadores, entre eles o próprio José Ramos-Horta.

Fernando Figueiredo, presidente da direção da Casa de Portugal deu conta dos objetivos e estatutos da associação.

Criada por um grupo inicial de 25 pessoas e sem fins lucrativos, a nova associação foi criada, segundo os seus estatutos, para zelar pela «preservação da identidade da comunidade e do seu património cultural, nomeadamente da língua e cultura portuguesas» e contribuir para o desenvolvimento de Timor-Leste estão entre os objetivos da Casa de Portugal.

Outro dos objetivos é que a associação possa tornar-se «num interlocutor privilegiado na procura de soluções para problemas específicos que afetem a comunidade portuguesa em Timor-Leste».

Promover a solidariedade na comunidade portuguesa e fomentar as relações com as restantes comunidades são outros objetivos da associação que quer ainda criar núcleos de ação cultural e de formação.

Intervindo na cerimónia, José Pedro Machado Vieira, embaixador de Portugal em Díli e que se tornou no primeiro sócio honorário da Casa de Portugal - leu um excerto de uma carta enviada pelo secretário de Estado das Comunidades, José Luís Carneiro.

A carta saúda a iniciativa que considera «mais uma expressão da vitalidade, dinamismo e capacidade de mobilização» da diáspora portuguesa.

O diploma defendeu um esforço para envolver jovens na associação que deve procurar «complementaridades» e adaptar-se à realidade da comunidade portuguesa em Díli - cerca de mil pessoas, segundo os registos consulares.


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
A Santa Casa da Misericórdia de Paris
Daniel Bastos
Historiador
Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades
José Cesário
Deputado
Ser português fora é ter Portugal dentro
Isabelle Coelho-Marques
Presidente da NYPALC
DISCURSO DIRETO
Portugal Maior
José Caria, diretor-adjunto da PORT.COM
PORTUGAL
«Português é uma língua com valor universal»
Luís Faro Ramos, presidente do Instituto Camões
PORTUGAL
«A China está pronta para nos acolher»
José Augusto Duarte, Embaixador de Portugal na China
CHINA
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ