ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Mais de 550 alunos vão ficar sem aulas de português no sul do Luxemburgo
Revista PORT.COM • 19-Nov-2016
Mais de 550 alunos vão ficar sem aulas de português no sul do Luxemburgo



Há dois anos, a autarquia de Differdange também pôs fim aos cursos de português ministrados nas escolas da localidade, frequentados por cerca de 400 alunos portugueses.

O Sindicato dos Professores no Estrangeiro denunciou a intenção da autarquia de Esch-sur-Alzette, no sul do Luxemburgo, acabar com o ensino integrado de português, uma decisão que afeta 550 alunos.

Segundo o secretário-geral do SPE, Carlos Pato, a comissão escolar de Esch-sur-Alzette decidiu a 8 de novembro pôr fim às aulas de português lecionadas nas escolas primárias da localidade, já a partir do próximo ano letivo, uma “decisão unilateral” que contraria os acordos entre os dois países.

“É mais uma afronta à comunidade portuguesa residente neste país, onde parece que não existe ministro da Educação [e] onde os diretores das escolas têm um enorme poder discricionário, sobrepondo-se aos acordos de cooperação no domínio da educação existentes entre Portugal e o Luxemburgo”, criticou o dirigente sindical.

De acordo com uma ata da comissão escolar de Esch-sur-Alzette a que a Lusa teve acesso, datada de 11 de novembro, “os COIP [Cursos Integrados de Português] serão abolidos a partir do regresso às aulas em 2017/2018”, no ensino primário.

No documento, a comissão propõe no entanto prosseguir um projeto-piloto de ensino de português no pré-escolar, que arrancou no último ano letivo numa dezena de escolas do país, sustentando que “a valorização e desenvolvimento da língua materna facilitam a aprendizagem de outras línguas, no caso, do luxemburguês”.

A continuidade do projeto-piloto depende no entanto de o docente “dominar a língua luxemburguesa”, pode ler-se na ata – uma exigência que o responsável sindical considerou “caricata”, acusando ainda a comissão de “hipocrisia”.

“Eles dizem que reconhecem essa valia [nos cursos do pré-escolar], mas depois não lhes dão sequência, e portanto isso é uma hipocrisia extrema”.

Para o responsável sindical, a extinção dos cursos em Esch-sur-Alzette – a segunda maior localidade do país e uma das que tem maior percentagem de portugueses – representa “a machadada final” no ensino integrado de português no Luxemburgo, que permite aos alunos ter aulas de língua materna durante o horário escolar.

“Se isto se espalha ao resto do país, o ensino integrado desaparece, não porque não faça falta, mas por má vontade dos professores luxemburgueses”, acusou.

O responsável do sindicato diz que a decisão de pôr fim às aulas “já anda a fermentar há vários meses” e que os pais portugueses foram pressionados pelas escolas para não inscreverem os filhos nos cursos de língua e cultura portuguesa, na abertura deste ano letivo, o que terá contribuído para haver “uma quebra substancial de inscrições”.

Este ano, estão inscritos 552 alunos portugueses nos cursos integrados de português em Esch-sur-Alzette, que funcionam em sete escolas da localidade (um número que representa mais de um terço do total de alunos que frequentam as aulas neste regime em todo o país).

A decisão da comissão escolar ainda não foi comunicada oficialmente à Coordenação de Ensino de Português no Luxemburgo, disse à Lusa o responsável, Joaquim Prazeres, frisando que a extinção unilateral dos cursos contraria o acordo entre os Governos dos dois países.

“O acordo prevê que em caso de abertura ou de encerramento de cursos haja um acordo entre as Câmaras Municipais, o Ministério da Educação luxemburguês e os Serviços da Embaixada de Portugal. No fundo, nós ainda não fomos ouvidos nessa matéria”, lamentou.

Joaquim Prazeres disse esperar que a decisão ainda possa ser “revertida”, ao contrário do que aconteceu noutras localidades luxemburguesas.


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
Os efeitos do medo do coronavírus...
Daniel Bastos
Historiador
Novo Coronavírus provoca epidemia com desfecho imprevisível
Alfredo Martins
Internista e Coordenador do NEDResp
InPortugal 2020 Paris quer desenvolver nova rede de embaixadores
Ricardo Simões
Diretor do InPortugal
DISCURSO DIRETO
A Fundação ISS e o apoio na África Lusófona
Eulalia Devesa, Diretora da Fundação ISS Mais Um Sorriso
PORTUGAL
«Cada vez faz menos sentido falar de emigração»
José Cesário, Deputado do PSD
PORTUGAL
O Projeto de Mobilidade na CPLP
Augusto Santos Silva, Ministro dos Negócios estrangeiros
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ