ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Incêndio destrói Museu Nacional no Rio de Janeiro
Revista PORT.COM • 04-Set-2018
Incêndio destrói Museu Nacional no Rio de Janeiro



Edifício histórico com 200 anos albergava coleções únicas, que terão desaparecido no fogo.

Um incêndio de grandes dimensões destruiu o Museu Nacional do Rio de Janeiro. O fogo deflagrou este domingo no edifício com 200 anos, construído quando o Brasil ainda era uma colónia portuguesa, e terá queimado mais de 20 milhões de objetos, incluindo achados arqueológicos e outras coleções históricas. Era um dos maiores acervos históricos e científicos do país.

Para o Presidente Michel Temer, «a sua destruição é uma perda incalculável para o Brasil. Duas centenas de anos em trabalho, investigação e conhecimento foram perdidas.»

Ainda não se conhecem as causas do incêndio, no entanto sabe-se que a instituição, ligada à Universidade Federal do Rio de Janeiro, já estava a sofrer cortes orçamentais há pelo menos três anos. Alguns pavimentos internos do prédio desabaram, ainda que os bombeiros tenham conseguido salvar uma parte do acervo.

No momento em que o fogo deflagrou, após o encerramento do museu ao público, perto das 19h30, havia apenas quatro vigilantes no local que conseguiram escapar. Várias imagens aéreas mostram o edifício tomado pelas chamas e a dificuldade dos bombeiros em controlá-las, com zonas do museu já sem qualquer cobertura.

Segundo explica o comandante-geral dos bombeiros, Roberto Robadey, as duas bocas-de-incêndio localizadas na área do museu estavam sem água, obrigando-os a esperar por camiões-cisterna, o que dificultou o combate às chamas.

Robadey diz ainda que o tipo de construção e o conteúdo do museu contribuíram para a proporção do incêndio, uma vez que o edifício, antigo, continha peças guardadas em álcool.

O Governo português lamentou «a perda de um acervo histórico e científico insubstituível» do “emblemático” Museu Nacional do Brasil, «assim como pelos danos sofridos pelo próprio edifício, também ele um marco importante da História comum luso-brasileira».

Num comunicado divulgado esta segunda-feira pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros, o Governo diz estar «inteiramente disponível para colaborar na procura da reconstituição deste importante património identitário, não apenas do Brasil, mas de toda a América Latina e do mundo».

O fogo apenas ficou extinto na madrugada desta segunda-feira. Ainda é difícil fazer o balanço das perdas, mas a dimensão do incêndio não deixa dúvidas de que foram gigantescas.

O edifício, criado por D. João VI, rei português, foi a residência oficial da família real e imperial no Brasil e o acervo do museu era formado por cerca de 20 milhões de peças, entre as quais se destacam objetos naturais, como um meteoro, o mais antigo fóssil humano alguma vez encontrado na América do Sul, o maior e mais importante acervo indígena e uma das bibliotecas de Antropologia mais ricas do Brasil. 

 

Foto em destaque: © Ricardo Moraes/Reuters 


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
Aqui, Brasil
Francisco Serra
Cônsul honorário de Portugal em Pelotas, Brasil
Condições mais favoráveis ao exercício do direito de voto
José Vítor Soreto de Barros
Presidente da Comissão Nacional de Eleições
Brasília, El Dorado Luso
Jack Soifer
Consultor Internacional
DISCURSO DIRETO
Um zacatrás por Portugal
José Caria, diretor-adjunto da PORT.COM
PORTUGAL
Há condições para viver em Arcos de Valdevez
João Esteves, presidente da CM de Arcos de Valdevez
PORTUGAL
A comunidade portuguesa e a Venezuela
Paulo Pisco
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ