ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Literatura em português pode ajudar a regular medicamentos em África
Revista PORT.COM • 05-Set-2018
Literatura em português pode ajudar a regular medicamentos em África



A responsável pelo acesso a medicamentos, vacinas e produtos farmacêuticos da Organização Mundial de Saúde (OMS) defendeu, em entrevista à ONU News, que um aumento da literatura em português sobre regulação de medicamentos ajuda na regulação de medicamentos em África.

A diretora-geral assistente da OMS, Mariângela Simão, em entrevista à ONU News, o portal de notícias em português da ONU (Organização das Nações Unidas), explicou que por não estarem inseridos em grupos anglófonos ou francófonos, que falam inglês e francês, os países de língua portuguesa deixam de receber, na sua língua materna, atualizações e informações, por exemplo, sobre regulação de medicamentos, combate a remédios falsos ou outras ações na área da saúde.

«Pelo facto de as publicações e de os ensinamentos se darem em língua inglesa ou francesa, tanto por parte da OMS como por parte de outras agências que trabalham em saúde, muitas vezes as comunidades de profissionais de saúde de língua portuguesa ficam muito isoladas», alertou.

Mariângela Simão defendeu ser essencial «que a ligação da língua possa ser explorada nesses grupos regionais», e que cada vez mais pessoas possam ter acesso à literatura e à informação na sua própria língua para que possam compreender por completo os passos necessários em cada ação.

A diretora-geral assistente da OMS elogiou a colaboração entre os países lusófonos noutras áreas, como no combate ao vírus HIV, causador da Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (sida), e defendeu que deveria ser alargada.

Mariângela Simão sugeriu que poderia ser criado, por exemplo, um sistema que permitisse o reconhecimento de um medicamento num país quando é legalizado noutro.


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
Portugal hoje, um país que incentiva ao regresso
Paulo Pisco
Deputado do PS eleito pelos portugueses na Europa
De olhos postos em África com uma estratégia de futuro
Peter Dawson
Presidente do grupo Garland
Não há tempo para se perder tempo!
Vítor Ramalho
Secretário-Geral da UCCLA
DISCURSO DIRETO
O português que ajudou a 'erguer' as memórias do World Trade Center
Luís Mendes, arquiteto
ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA
«Mobilidade no espaço da lusofonia é um dos maiores desafios»
Teresa Ribeiro, SENEC
PORTUGAL
The last man on the moon
José Caria, diretor-adjunto da PORT.COM
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ