ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

As escolas portuguesas além-fronteiras
Revista PORT.COM • 01-Out-2018
As escolas portuguesas além-fronteiras



São cinco as escolas portuguesas de ensino público sedeadas no espaço da Lusofonia, nomeadamente em Angola, Moçambique, Cabo Verde, S. Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Hoje, movimentam um universo superior a seis mil alunos e 500 docentes e três delas, já no último ano letivo, aceitaram participar no projeto de Autonomia e Flexibilidade Curricular.

As escolas públicas portuguesas no estrangeiro, para além do garante de ensino aos muitos milhares de alunos portugueses residentes fora do território nacional, assumem-se também como um instrumento privilegiado na concretização das prioridades da política educativa nacional, nomeadamente a promoção da língua portuguesa como uma língua internacional associada à projeção do ensino e da cultura.

As escolas portuguesas, espalhadas por várias latitudes da lusofonia, asseguram assim o ensino e a valorização permanente da cultura e da língua portuguesa, promovendo igualmente o aprofundamento das relações entre os Estados, no reforço dos seus laços culturais e linguísticos.

Atualmente, Portugal conta com 5 instituições de ensino público no estrangeiro que movimentam um universo superior a seis mil alunos das mais diversas nacionalidades, verificando-se, todavia, a prevalência de alunos de origem portuguesa, e ainda cerca de 500 docentes. As escolas de Angola, Moçambique e Timor são as que acolhem um maior número de alunos matriculados:

  • Escola Portuguesa Ruy Cinatti – Centro de Ensino e Língua Portuguesa – Situada em Díli – Timor-Leste;
  • Escola Portuguesa de Moçambique - Centro de Ensino e Língua Portuguesa – Situada em Maputo – Timor-Moçambique;
  • Escola Portuguesa de Luanda - Centro de Ensino e Língua Portuguesa – Situada em Luanda – Angola;
  • Escola Portuguesa de Cabo Verde - Centro de Ensino e Língua Portuguesa – Situada na Praia – Cabo Verde;
  • Escola Portuguesa de São Tomé e Príncipe - Centro de Ensino e Língua Portuguesa – Situada em São Tomé e Príncipe.

As escolas portuguesas no estrangeiro foram criadas no âmbito do aprofundamento das relações de amizade e de cooperação, no domínio da educação, através da assinatura de protocolos de cooperação bilateral entre o Estado português e os países que acolheram as mesmas.

Neste sentido, as políticas de cooperação assentes nos domínios do ensino e da aprendizagem do currículo português têm tido um papel crucial no espaço da Comunidade dos Países da Língua Portuguesa (CPLP) quanto à construção e valorização da língua, na coerência e na sua diversidade, consubstanciando espaços privilegiados de formação das crianças e dos jovens.

 

Leia o artigo na íntegra na edição de outubro da Revista PORT.COM.


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
A CPLP mais perto das pessoas
Francisco Ribeiro Telles
Secretário Executivo da CPLP
Gestão multicultural das equipas
António Cunha Meneses Abrantes
Professor Auxiliar na ICN Business School de Nancy
Já se ouve o Fado na Eslovénia
João Pita Costa
Editor da revista luso-eslovena Sardinha
DISCURSO DIRETO
Memórias e recordações da emigração portuguesa na Alemanha
Daniel Bastos
PORTUGAL
«Existe muita exploração laboral perpetrada por portugueses»
Luísa Semedo
FRANÇA
«Mercado chinês tem potencial para as empresas portuguesas»
José Augusto Duarte
CHINA
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ