ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Língua portuguesa é símbolo de oportunidades na Venezuela
Revista PORT.COM • 22-Nov-2018
Língua portuguesa é símbolo de oportunidades na Venezuela



Ao longo desta semana assinala-se o 25.º aniversário do Departamento de Português da Universidade Central da Venezuela.

Para a diretora do Departamento de Português da Universidade Central da Venezuela, Digna Tovar, a língua portuguesa superou «fortes preconceitos» no país, onde é vista como um símbolo de oportunidades, não apenas para lusodescendentes, mas para venezuelanos.

«Já mudou e, graças a isso, temos cada dia mais pessoas interessadas em falar a língua portuguesa, porque, de facto, o preconceito era um dos fatores que obstaculizavam a divulgação da língua. As pessoas achavam mesmo que não valia a pena aprender português, porque era uma língua de segunda [categoria]», disse Digna Tovar à agência Lusa.

Digna Tovar, venezuelana, e professora de português na Universidade Central da Venezuela há 18 anos, falava à margem do início das atividades que durante esta semana vão assinalar o 25.º aniversário daquele departamento.

«25 anos diz-se muito rápido, mas tem sido uma luta (...). O preconceito contra a língua portuguesa era muito forte. Lembro-me que me perguntavam se ia aprender português para falar com os padeiros», declarou.

Digna Tovar referiu que na Venezuela os comerciantes, donos de padarias, de sapatarias, de mercearias e supermercados são portugueses e contra eles havia muito preconceito.

«Eu dizia ‘vou estudar português porque gosto da língua, porque o meu marido é português’», explicou, acrescentando de imediato que o conheceu «um ano antes de iniciar os estudos de português» e que ele foi a sua «motivação principal».

Digna Tovar venceu uma bolsa de estudos do Camões -- Instituto da Cooperação e da Língua e fez uma pós-graduação de um ano em Português como Língua Estrangeira no Porto.

«Os portugueses são pessoas muito esforçadas. Essa é uma qualidade que é inata (...). Em Portugal encontrei um mundo diferente dessa imagem que tínhamos de Portugal, de um país provinciano, pequeno, pobre e de pessoas praticamente analfabetas. Encontrei profissionais muito qualificados, um país em desenvolvimento. Para mim a melhor demonstração de que aquela imagem era ingrata, foi ir lá, conviver com eles, durante um ano inteiro. Foi o ano mais lindo da minha vida», garantiu.

A professora admitiu que o Departamento de Português da Universidade Central da Venezuela está a passar por «um momento complicado, difícil, dada a situação de crise» neste país e nas suas instituições de ensino superior.

«No entanto, depois de 25 anos, o Departamento de Português está a ser revisitado, revisto, estamos a reinventar coisas, a explorar coisas novas, porque já vivemos muitas experiências positivas. Temos tido imenso apoio do instituto Camões, da Embaixada de Portugal, eles têm sido os nossos aliados e têm-se empenhado em formar não só lusodescendentes, mas também venezuelanos puros como eu», destacou.

Digna Tovar acrescentou que este departamento da Universidade Central Venezuelana tem projetado a língua portuguesa para fora da instituição, exemplificando com um projeto que permite a estudantes hispano falantes trocarem experiências em português.

«Há um intercâmbio de aprendizagem, uma troca em língua portuguesa sobre a Argentina e a Venezuela. Estudantes hispano falantes cujo vínculo é o português», realçou.

Realça ainda que o Departamento de Português da universidade está «ao dispor de toda a comunidade portuguesa», e deseja ver que «a língua portuguesa seja cada dia mais estudada e falada nesta Venezuela que precisa tanto de profissionais que queiram ajudar e cooperar com o desenvolvimento».

Do programa de celebração do 25.º aniversário do Departamento de Português da Universidade Central Venezuela fazem parte, entre outras iniciativas, uma conferência sobre ‘Portugal hoje’, um concerto de fado, uma mesa redonda sobre erros e dificuldades mais comuns na aula de português como língua estrangeira e uma conversa sobre “Ensaio sobre a Cegueira”, de José Saramago.


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
Significado das próximas eleições para a Assembleia da República
Paulo Pisco
Deputado do PS
Incêndios rurais: prevenir é mesmo o melhor remédio
Miguel Freitas
Sec. de Estado das Florestas
Por um regresso seguro a casa
José Artur Neves
Sec. de Estado da Proteção Civil
DISCURSO DIRETO
Monumentos ao emigrante em Portugal
Daniel Bastos, Historiador
PORTUGAL
Defesa de nova visão sobre as comunidades portuguesas
José Luís Carneiro
PORTUGAL
Um eterno e constante devir....
José Caria, diretor-adjunto da PORT.COM
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ