ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Moçambique inova com farinha de banana que aproveita toda a fruta
Revista PORT.COM • 23-Dez-2018
Moçambique inova com farinha de banana que aproveita toda a fruta



Uma empreendedora moçambicana criou uma empresa que produz farinha de banana e aproveita 100% do fruto, reforçando a qualidade nutricional do alimento e eliminando os resíduos.

A Finana foi criada há três anos por Filomena Matimbe, que decidiu valorizar de outra forma um dos alimentos mais consumidos em Moçambique.

«A banana é uma boa fruta e as pessoas devem continuar a comê-la, mas encontrei outra alternativa de comer banana, com mais nutrientes e melhor aproveitamento da fruta», disse a empresária, de 54 anos, à agência Lusa.

Depois de se formar em Administração e Gestão de Empresas em Chimoio, uma das regiões que mais produz banana em Moçambique, Filomena voltou a Maputo, comprou uma “machamba” (plantação) de banana e começou a desenvolver a sua ideia.

A transformação do fruto em farinha permite aumentar a sua conservação (a banana só dura nove dias, mas a farinha tem dois anos de validade) e até a casca, normalmente usada para a alimentação animal, pode ser aproveitada.

«Este ano iniciei a produção de farinha de banana com casca que tem mais nutrientes do que a farinha. Além disso, consigo fazer todo o aproveitamento do fruto», eliminando o que seria considerado lixo, adianta a responsável da Finana.

Para produzir a farinha simples, a casca de banana é separada, seca e moída para fazer ração, enquanto a linha de farinha integral incorpora a casca de banana, aumentando o nível de nutrientes e os polifenóis (substâncias antioxidantes), que torna este alimento «um aliado forte na luta contra o cancro», sublinha.

A Finana, que emprega 13 trabalhadores, compra 95% da banana (verde) que usa aos agricultores locais e os restantes 5% são produzidos na pequena “machamba” de Filomena. Atualmente, produz 500 quilos de farinha por dia, mas Filomena está à procura de investidores para fazer crescer o negócio.

«Precisava de cerca de 300 mil dólares para triplicar a produção diária e gostaria no futuro de construir uma fábrica própria», sonha a gestora, que já investiu 110 mil dólares na empresa.

A farinha da Finana é vendida sobretudo a organizações não-governamentais (ONG) que distribuem alimentos em escolas e hospitais, mas chega também a cerca de 30 supermercados de Manhiça e Maputo.

Atualmente dispõe de uma gama de quatro produtos (farinha de banana com castanha, integral, simples e biscoitos), mas Filomena continua a tentar inovar.

«Podemos fazer tudo com a farinha, de bolos a esparguete», garante, acrescentando que esta experiência já foi feita em Itália, com bons resultados.


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
Significado das próximas eleições para a Assembleia da República
Paulo Pisco
Deputado do PS
Incêndios rurais: prevenir é mesmo o melhor remédio
Miguel Freitas
Sec. de Estado das Florestas
Por um regresso seguro a casa
José Artur Neves
Sec. de Estado da Proteção Civil
DISCURSO DIRETO
Monumentos ao emigrante em Portugal
Daniel Bastos, Historiador
PORTUGAL
Defesa de nova visão sobre as comunidades portuguesas
José Luís Carneiro
PORTUGAL
Um eterno e constante devir....
José Caria, diretor-adjunto da PORT.COM
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ