ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Curso de língua portuguesa para reclusos na maior cadeia de Timor-Leste
Revista PORT.COM • 16-Fev-2019
Curso de língua portuguesa para reclusos na maior cadeia de Timor-Leste



Um grupo de 54 reclusos da maior cadeia timorense, em Becora, Díli, começou um curso de língua portuguesa que, para o ministro da Justiça timorense, é uma «oportunidade única» para ajudar na reinserção futura dos detidos.

Numa intervenção numa cerimónia de abertura do curso, Manuel Cáceres da Costa disse que a reintrodução da língua portuguesa ajudará os reclusos a prepararem-se melhor para o futuro, depois da libertação, com «novos horizontes para enfrentar a sua vida».

Por isso, defendeu, os 54 formandos devem com «desempenho e disciplina aproveitar esta oportunidade, porque é muito raro terem estas oportunidades» de fortalecimento de capacidades.

O curso, que abrange cerca de 20% dos reclusos de Becora, insere-se no projeto Mais Português que é financiado pelo Gabinete de Apoio à Sociedade Civil do gabinete do primeiro-ministro e conta com o apoio da organização FONGTIL e ainda da Fundação Oriente em Timor-Leste.

Cáceres recordou que toda a legislação timorenses está redigida em português, que a outra língua nacional, o tétum «está em vias de nascimento» e que, por isso, «é aposta do Ministério da Justiça formar e capacitar todos os trabalhadores e os servidores da justiça em língua portuguesa».

«O Ministério da Justiça tem que ser o espelho da língua portuguesa neste país. O MJ no seu dia-a-dia de trabalho, tem que falar e escrever em português», disse.

«A formação para os juízes, procuradores, defensores públicos e advogados privados e oficiais da Justiça será mais focada na capacitação e domínio da língua portuguesa, para evitar sentenças injustas, defesas incapazes e acusações desumanas», considerou.

O embaixador de Portugal em Timor-Leste, José Pedro Machado Vieira, destacou a natureza inovadora da ação, que ocorre no âmbito da cooperação, tanto na área educativa como no setor da justiça.

«A iniciativa permite que 50 cidadãos aprendam a falar português, língua que é a nossa e constitui base das identidades nacionais, tanto portuguesa como timorense, fazendo parte ainda de toda a nossa memória comum», afirmou.

«Trata-se de uma ação inovadora na área da Justiça que já é tão profunda entre os nossos dois países», afirmou.

O diplomata recordou que a língua portuguesa é, no planeta, uma «poderosa ferramenta de diálogo e de construção de uma comunidade internacional», abrindo novas oportunidades à população reclusa.

«A educação constitui inequivocamente uma ferramenta privilegiada no processo de reintegração social, bem como meio essencial de capacitação para o exercício de outros direitos igualmente universais», disse.

Já a responsável da delegação da Fundação Oriente em Timor-Leste, Sónia Fonseca, disse que o curso é uma «oportunidade de aprender e aperfeiçoar uma das línguas oficiais de Timor-Leste», mas também constitui «um meio para estes novos estudantes, já adultos, de regressarem à aprendizagem e ao conhecimento e, desta forma, promoverem o seu crescimento social e individual».

O curso insere-se num acordo de cooperação que existe desde 2016 entre o Gabinete de Apoio à Sociedade Civil do gabinete do primeiro-ministro e conta com o apoio da organização FONGTIL e a Fundação Oriente em Timor-Leste.

Um acordo que já permitiu a realização de inúmeras atividades, incluindo cursos de língua portuguesa, feiras do livro, atividades lúdico-didáticas para crianças e jovens, entre outras.

«Todas com o objetivo último de proporcionar o envolvimento e a aprendizagem da língua portuguesa, tendo como referência a cultura e história de Timor-Leste», afirmou Sónia Fonseca.

A cadeia de Becora, na zona leste da cidade de Díli, é a maior cadeia das três do sistema prisional timorense, tendo atualmente 609 reclusos, dos quais 171 em prisão preventiva.

Os detidos incluem 22 estrangeiros: 13 indonésios, quatro chineses, quatro filipinos e um australiano. Seis dos reclusos cumprem penas por crimes de droga (quatro indonésios e dois timorenses), e há ainda dois militares das Forças de Defesa de Timor-Leste (F-FDTL) e dois agentes da Polícia Nacional de Timor-Leste (PNTL).


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
Portugal hoje, um país que incentiva ao regresso
Paulo Pisco
Deputado do PS eleito pelos portugueses na Europa
De olhos postos em África com uma estratégia de futuro
Peter Dawson
Presidente do grupo Garland
Não há tempo para se perder tempo!
Vítor Ramalho
Secretário-Geral da UCCLA
DISCURSO DIRETO
O português que ajudou a 'erguer' as memórias do World Trade Center
Luís Mendes, arquiteto
ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA
«Mobilidade no espaço da lusofonia é um dos maiores desafios»
Teresa Ribeiro, SENEC
PORTUGAL
The last man on the moon
José Caria, diretor-adjunto da PORT.COM
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ