ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Especialistas alertam que diferenças na língua portuguesa não devem significar muros
Revista PORT.COM • 06-Mar-2019
Especialistas alertam que diferenças na língua portuguesa não devem significar muros



Docentes da Universidade da Beira Interior defenderam que a língua portuguesa assume diferenças «saudáveis», entre os vários países lusófonos, mas alertaram para a necessidade de evitar que essas disparidades signifiquem «muros» ou «discriminação».

As posições foram assumidas durante a apresentação, na Covilhã, do livro “Portugal/Brasil/PALOP - Relações Culturais”, que reúne súmulas de oito ensaístas de Portugal, Brasil, Angola e Cabo Verde que participaram num congresso internacional realizado em 2017.

«O interesse do livro é que mostrando a existência e a importância da lusofonia, a unidade que existe em torno daqueles povos e culturas que se exprimem em língua portuguesa, mostra também as diferenças que existem e aquilo que ainda tem que ser trabalhado», explicou José Carlos Venâncio, catedrático da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade da Beira Interior (UBI).

Este responsável realçou que as diferenças na lusofonia «são saudáveis» desde que não se traduzam em discriminação.

«O que temos que evitar é que essas diferenças venham a gerar discriminação ou desconhecimento do outro. Isso é que é negativo», frisou.

O livro reúne um conjunto de súmulas de oito ensaístas de Portugal, Brasil, Cabo Verde e Angola que estiveram presentes, em 2017, no Congresso Internacional Portugal Brasil PALOP - Relações Culturais.

Cristina Vieira alertou para a importância de se conhecerem essas discrepâncias e, caso isso não seja feito, «essas diferenças podem criar muros».

«Enquanto que há alguns que querem estabelecer muros, nós queremos criar pontes e essas pontes só se estabelecem quando se fazem colóquios que depois são transpostos para livro para que todos tenham acesso aos trabalhos feitos aquando do congresso internacional», sustentou.

Defendeu ainda que a chamada periferia da língua portuguesa, na realidade, é uma pseudo-periferia.

«Considerar a língua portuguesa periférica é uma questão assumida se assim o quisermos. A Comunidade dos Países de Língua Portuguesa existe se valorizarmos a língua portuguesa como língua de trabalho, de investigação, de cultura e união entre povos», concluiu.


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
Macau: uma oportunidade ainda a descobrir
Alberto Carvalho Neto
Presidente da AJEPC
A importância da participação eleitoral nas comunidades
José Luís Carneiro
SECP
4 pilares para a prevenção de Alzheimer
George Perry
Diretor da Fac. de Ciências da Univ. do Texas
DISCURSO DIRETO
A preservação da memória e identidade da emigração portuguesa na toponímia
Daniel Bastos, Historiador
PORTUGAL
Portugal a votos
José Caria, Diretor-Adjunto da PORT.com
PORTUGAL
Lusos em Luanda
Jack Soifer, Consultor Internacional
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ