ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Países lusófonos pressionam Guiné Equatorial a abolir a pena de morte
Revista PORT.COM • 17-Abr-2019
Países lusófonos pressionam Guiné Equatorial a abolir a pena de morte



O primeiro-ministro português, António Costa, que se a Guiné Equatorial quer permanecer na Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) «tem de se rever» num «quadro comum» de valores que não admite a existência da pena de morte.

Costa falava no final da V Cimeira Luso-Cabo-Verdiana, em Lisboa. Pelos dois países passa, no momento, a condução da política da CPLP. Cabo Verde ocupa a presidência rotativa e Portugal detém o secretariado executivo.

Tanto no discurso de Costa como no do seu homólogo cabo-verdiano, Ulisses Correia e Silva, esteve presente a situação da Guiné Equatorial. Esta antiga colónia espanhola tornou-se membro de pleno direito da CPLP em julho de 2014, mediante um "roteiro de adesão". Este incluía a divulgação do português como língua oficial e obrigava à abolição da pena de morte, medida ainda não ratificada pelo presidente, Teodoro Obiang Nguema (o líder africano de maior longevidade, desde 1979, e o presidente há mais tempo no poder em todo o mundo).

Na presença do primeiro-ministro de Cabo Verde, António Costa deixou um recado a Obiang sobre a natureza da CPLP: «Somos uma comunidade que assenta nos valores da liberdade, da democracia, de respeito dos direitos humanos e da dignidade de pessoa humana, que é absolutamente incompatível com a existência da pena de morte em qualquer dos países membros», disse o primeiro-ministro português.

 

Abolir a pena de morte até ao final do ano

Já esta semana, o primeiro-ministro cabo-verdiano afirmou que a pena de morte na Guiné Equatorial será abolida até ao final do ano, informação que disse ter recebido do Presidente equato-guineense.

Ulisses Correia e Silva, primeiro-ministro de Cabo Verde, afirmou que, quando recebeu oficialmente o Presidente da Guiné Equatorial, Teodoro Obiang, que lhe disse que o país vai abolir a pena de morte.

No final do encontro, o chefe do Governo de Cabo Verde congratulou-se com «a decisão da Guiné Equatorial de abolir a pena de morte, decisão que vai ser concretizada este ano».

O Presidente [Teodoro Obiang] assegura que o conjunto de reformas institucionais para tornar a Guiné Equatorial um Estado democrático respeitado será implementado, o que é uma «boa notícia para Cabo Verde e para a CPLP [Comunidade dos Países de Língua Portuguesa]», adiantou.

Segundo Ulisses Correia e Silva, o diálogo com Teodoro Obiang incluiu uma conversa sobre «os esforços e investimento necessários na língua portuguesa, tendo em conta que a Guiné Equatorial é um país da CPLP».


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
Portugal hoje, um país que incentiva ao regresso
Paulo Pisco
Deputado do PS eleito pelos portugueses na Europa
De olhos postos em África com uma estratégia de futuro
Peter Dawson
Presidente do grupo Garland
Não há tempo para se perder tempo!
Vítor Ramalho
Secretário-Geral da UCCLA
DISCURSO DIRETO
O português que ajudou a 'erguer' as memórias do World Trade Center
Luís Mendes, arquiteto
ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA
«Mobilidade no espaço da lusofonia é um dos maiores desafios»
Teresa Ribeiro, SENEC
PORTUGAL
The last man on the moon
José Caria, diretor-adjunto da PORT.COM
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ