ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Português está a expandir-se em África
Revista PORT.COM • 13-Mai-2019
Português está a expandir-se em África



Um grupo de investigadores de políticas linguísticas defendeu, num colóquio em Macau, que 'o português europeu' está a expandir-se nos países africanos lusófonos, sobretudo através do fenómeno de nativização, do contacto com línguas indígenas.

O crescimento do uso da língua portuguesa como primeira e segunda língua verifica-se pelo menos em Angola, Moçambique e São Tomé e Príncipe, ex-colónias de Portugal, afirmaram os linguistas lusófonos num colóquio que decorreu na Universidade de São José, dedicado às variedades emergentes do português em África.

A escolarização tem tido contribuído decisivamente para a disseminação do português, «mas tem-se imposto pela nativização pelo facto de muitos professores não dominarem a norma europeia, mas serem falantes de variedades nativizadas do português», exemplificou, o professor Feliciano Salvador Chimbutane, da Universidade Eduardo Mondlane, em Maputo.

«É crescente o número de falantes e o domínio de usos da língua portuguesa em Moçambique», que tem uma população de quase 30 milhões, onde são faladas mais de vinte línguas africanas do grupo bantu e apenas cerca de metade fala o português, sublinhou.

«As políticas linguísticas definidas no período pós-colonial e contacto do português com línguas autóctones têm influenciado o processo de expansão», sustentou o investigador da relação entre a língua, educação e cidadania, e da política e planificação linguística em Moçambique.

Já o professor Alan Baxter, da USJ, investigador em línguas crioulas, do português afro-brasileiro e do português de São Tomé e Príncipe, destacou o crescimento histórico do português rural de ilha de São Tomé, muito pelo contacto com as áreas urbanas e do movimento crescente para a cidade, igualmente através da assimilação linguística autóctone.

A migração, a escolarização em massa e o contacto com a comunicação social tiveram um papel-chave para a difusão do português, destacou o docente da Universidade de Macau Gabriel Antunes, da Universidade de Macau, investigador da língua portuguesa transplantada em África, Ásia e Brasil, e de línguas crioulas de base portuguesa.

Por seu lado, a professora do Instituto Politécnico de Macau Liliana Inverno, investigadora do contacto linguístico e do português de Angola, afirmou que «é indiscutível que os falantes do português estão a aumentar e que há uma mudança em curso no interior do país, uma situação que no litoral está consolidada».


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
Portugal hoje, um país que incentiva ao regresso
Paulo Pisco
Deputado do PS eleito pelos portugueses na Europa
De olhos postos em África com uma estratégia de futuro
Peter Dawson
Presidente do grupo Garland
Não há tempo para se perder tempo!
Vítor Ramalho
Secretário-Geral da UCCLA
DISCURSO DIRETO
O português que ajudou a 'erguer' as memórias do World Trade Center
Luís Mendes, arquiteto
ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA
«Mobilidade no espaço da lusofonia é um dos maiores desafios»
Teresa Ribeiro, SENEC
PORTUGAL
The last man on the moon
José Caria, diretor-adjunto da PORT.COM
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ