ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Liga dos Combatentes honra portugueses mortos na guerra colonial
Revista PORT.COM • 09-Jul-2019
Liga dos Combatentes honra portugueses mortos na guerra colonial



O presidente da Liga dos Combatentes de Portugal disse, em Luanda, que tem o registo de 1.548 militares portugueses, que morreram em Angola durante a guerra colonial, cujas memórias devem ser honradas.

Uma delegação chefiada pelo general Joaquim Rodrigues chegou no domingo a Luanda, para dar continuidade a um trabalho iniciado em maio deste ano, pelo ministro da Defesa de Portugal, João Gomes Cravinho, que visa honrar soldados portugueses que morreram em Angola entre 1961 a 1975.

O assunto foi abordado entre Joaquim Rodrigues e o secretário de Estado dos Antigos Combatentes e Veteranos da Pátria de Angola, Domingos Tchikanha.

O presidente da Liga dos Combatentes de Portugal, citado pela agência noticiosa angolana, Angop, referiu que o processo, que será feito em duas fases, compreende a localização, identificação, exumação, transporte, trasladação e deposição de restos mortais de combatentes portugueses falecidos na guerra para a independência de Angola.

Joaquim Rodrigues avançou que é um trabalho que vem sendo desenvolvido pela liga há 14 anos, com o objetivo de dignificar os lugares onde se encontram militares portugueses tombados ao serviço das Forças Armadas em todo o mundo.

A primeira fase do trabalho, avançou o responsável, inicia-se em Luanda, capital do país, nos Cemitérios do Alto das Cruzes e de Santa Ana, seguindo-se as regiões norte, centro, sul e leste de Angola.

Já o governante angolano referiu que uma comissão multissetorial está a trabalhar na facilitação do processo, salientando que neste primeiro encontro deverá já ficar estabelecido um calendário de trabalho e os contactos com as empresas que vão proceder às obras das campas e outras questões.

Domingos Tchikanha referiu ainda que o processo de conservação da memória dos soldados portugueses inclui a recuperação de infraestruturas, nomeadamente monumentos, cemitérios, talhões e ossários, onde já se encontram albergados restos mortais de antigos militares, bem como a construção nos cemitérios das capitais de distrito de novos ossários e capelas para a deposição das ossadas.

Segundo o secretário de Estado dos Antigos Combatentes e Veteranos da Pátria, Angola tem também o registo de 90 soldados desaparecidos e 50 não localizados em 187 localidades do país.


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
Significado das próximas eleições para a Assembleia da República
Paulo Pisco
Deputado do PS
Incêndios rurais: prevenir é mesmo o melhor remédio
Miguel Freitas
Sec. de Estado das Florestas
Por um regresso seguro a casa
José Artur Neves
Sec. de Estado da Proteção Civil
DISCURSO DIRETO
As vivências da emigração portuguesa nos palcos do teatro
Daniel Bastos, Historiador
PORTUGAL
Defesa de nova visão sobre as comunidades portuguesas
José Luís Carneiro
PORTUGAL
Um eterno e constante devir....
José Caria, diretor-adjunto da PORT.COM
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ