ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Recomendações da missão da CPLP à Guiné Equatorial vão dar origem a plano de ação
Revista PORT.COM • 10-Jul-2019
Recomendações da missão da CPLP à Guiné Equatorial vão dar origem a plano de ação



As recomendações da missão de avaliação da Guiné Equatorial, aprovadas pelos Estados-membros da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), vão dar origem a um plano de ação, focado na justiça e no português, disse fonte diplomática.

Os representantes dos países, que estiveram reunidos no Comité de Concertação Permanente (CCP), aprovaram o relatório da missão, realizada entre 05 e 07 de junho e que tinha como objetivo avaliar os passos dados pela Guiné Equatorial na aplicação dos compromissos assumidos aquando da adesão à comunidade lusófona, em julho de 2014.

«O documento no seu todo foi aprovado, só que se fizeram algumas considerações, que também acho que são importantes, sobre a metodologia do relatório», afirmou à agência Lusa Eurico Monteiro, embaixador de Cabo Verde - país que detém atualmente a presidência rotativa da CPLP -, após reunião do CCP, na sede daquela organização em Lisboa.

Segundo o diplomata cabo-verdiano, as recomendações agora aprovadas servirão de base para um «programa conjunto» entre a CPLP e a Guiné Equatorial

«No fundo, o que nós queremos é que haja uma espécie de um programa conjunto da CPLP, enquanto organização, e da Guiné Equatorial enquanto país membro», no sentido da convergência deste país com os princípios da organização, referiu.

«É deste relatório que vamos extrair o plano de ação. (...) E claro que tem a ver com justiça e ensino do português», disse o diplomata cabo-verdiano.

Quanto às recomendações feitas no documento da missão de avaliação, o embaixador disse que «eixo por eixo fizeram-se recomendações importantes e que têm a ver com um conjunto de ações e medidas de apoio à Guiné Equatorial no seu processo de convergência normativa e institucional com o quadro da CPLP».

Eurico Monteiro admitiu que essas recomendações têm essencialmente a ver com a área da justiça, nomeadamente no que respeita à abolição da pena de morte - um dos compromissos assumidos por Malabo na cimeira de Díli -, e com o ensino do português naquele país.

Considerando que a Guiné Equatorial «já fez alguns avanços» no ensino do português, em escolas, universidades, o embaixador diz que «há uma necessidade sentida por todos de que, neste campo, se tem de fazer mais", pelo que as recomendações do relatório preveem "um programa voltado para o reforço do ensino do português» neste país, uma antiga colónia espanhola.

Na área da justiça «a mesma coisa», disse Eurico Monteiro, recordando que Portugal e Cabo Verde já manifestaram disponibilidade para apoiar o país neste setor.

«Já temos um compromisso político da Guiné Equatorial para a abolição da pena de morte», adiantou.

Segundo Eurico Monteiro, a vontade manifestada pelo Presidente, Teodoro Obiang Nguema Mbasogo, em maio, na cidade da Praia, de pôr fim à pena de morte no país, foi «reafirmada» agora durante os contactos feitos pela missão de avaliação.

Na semana passada, o Ministério da Justiça português confirmou à agência Lusa, através de fonte oficial, que está em «avançada fase» de negociação de um projeto de protocolo com a Guiné Equatorial, que visa contribuir para «a melhoria estrutural» do setor da justiça naquele país.

Além disso, há um outro eixo, o da participação da sociedade civil, «que é também muito importante», acrescentou o embaixador.

No âmbito da CPLP, «todos os países são obrigados a ter instituições e mecanismos de participação da sociedade civil e que fazem parte deste fórum da sociedade civil» da comunidade, sublinhou.

Outro eixo apontado foi o da recuperação do património histórico e cultural ligado à língua portuguesa, com o diplomata a indicar que as autoridades equato-guineenses manifestaram vontade de recuperar esse património e o país já está a desenvolver algumas ações nesse sentido.

O relatório, que os embaixadores reunidos no CCP decidiram que terá de ser apresentado como um documento único - e não de forma parcelar, setor a setor -, será apresentado aos chefes da diplomacia dos nove Estados-membros, no âmbito do Conselho de Ministros de 19 de julho, que vai decorrer no Mindelo, Cabo Verde.

O chefe da missão da comunidade lusófona à Guiné Equatorial, embaixador José Luís Monteiro, fez na altura uma avaliação entre o «satisfatório» e o «bom» dos progressos do país na implementação dos compromissos de adesão à CPLP.

«Há cinco eixos, em alguns o que foi feito é mais e melhor do que em outros, mas globalmente [...] há uma implementação entre o satisfatório e, em um ou outro caso, o bom. Não o excelente, mas entre o satisfatório e o bom», disse José Luís Monteiro.

O programa de adesão, elaborado há oito anos, antes da adesão plena da Guiné Equatorial à CPLP, tem cinco eixos: difusão da língua portuguesa, acolhimento e implementação do acervo comunitário, reabilitação da memória histórica e cultural, comunicação institucional e promoção e integração da sociedade civil.

A CPLP é composta por Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Guiné Equatorial, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste.


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
Significado das próximas eleições para a Assembleia da República
Paulo Pisco
Deputado do PS
Incêndios rurais: prevenir é mesmo o melhor remédio
Miguel Freitas
Sec. de Estado das Florestas
Por um regresso seguro a casa
José Artur Neves
Sec. de Estado da Proteção Civil
DISCURSO DIRETO
As vivências da emigração portuguesa nos palcos do teatro
Daniel Bastos, Historiador
PORTUGAL
Defesa de nova visão sobre as comunidades portuguesas
José Luís Carneiro
PORTUGAL
Um eterno e constante devir....
José Caria, diretor-adjunto da PORT.COM
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ