ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Cooperação de Portugal é fundamental para reforço do Estado de Direito em Timor
Revista PORT.COM • 17-Set-2019
Cooperação de Portugal é fundamental para reforço do Estado de Direito em Timor



O ministro da Justiça timorense, Manuel Cárceres da Costa, disse ontem em Coimbra que a cooperação de Portugal com o seu país tem sido fundamental para o reforço do Estado de Direito democrático em Timor-Leste.

“Timor “continua a atravessar dificuldades, nomeadamente em relação à área da justiça” e a cooperação de Portugal tem sido muito importante para o reforço do Estado de Direito democrático timorense”, afirmou o governante.

O ministro falava ontem, 16 de setembro, na Universidade de Coimbra (UC), na sessão de assinatura de um protocolo quadro de cooperação e dois contratos entre a República Democrática de Timor-Leste e esta universidade.

Os acordos ontem formalizados preveem a realização, em Coimbra, de cursos de formação avançada dos magistrados e dos defensores públicos de Timor-Leste, ao nível da língua portuguesa, na Faculdade de Letras da UC, e da formação em Direito de Timor, na Faculdade de Direito da UC, bem como a promoção de cursos de português para licenciados timorenses em direito selecionados para frequentarem mestrados da Faculdade de Direito.

“É um verdadeiro privilégio poder contar com a prestigiosa colaboração da Universidade de Coimbra”, assegurou Manuel Cárceres da Costa, destacando que “é um número já considerável de quadros superiores timorenses” que servem o seu país que fez a sua formação em Coimbra.

Para além disso, salientou, “vários cidadãos timorenses frequentam atualmente, em diversas áreas e graus, a UC, que é um espaço de referência mundial para quem procura sabedoria”.

Os timorenses estão “cientes dos desafios” que se lhe colocam, mas, frisou o ministro, “contam com a colaboração internacional”.

Os acordos formalizados com Timor-Leste têm uma “importância especial” para a UC e inserem-se na sua “estratégia global, que é a internacionalização”, sustentou o reitor da instituição, Amílcar Falcão.

O responsável adiantou esperar que este tipo de cooperação se possa “multiplicar” por outras áreas do saber e com “outros países de língua portuguesa”.

“Não é todos os dias que assinamos acordos com este alcance”, também no plano da “amizade e da cooperação”, e que “permitem consolidar as relações entre instituições e povos”, congratulou-se Amílcar Falcão, destacando que os protocolos de cooperação que a UC estabelece “são sempre numa lógica de parceria, de ensinar e de aprender”.

Para o vice-reitor para as Relações Externas e Alumni, João Nuno Calvão da Silva, os acordos com Timor-Leste constituem “mais um passo fundamental para o reforço da centralidade da Universidade de Coimbra no mundo, em especial pela valorização da língua portuguesa”.

“Após o acordo celebrado recentemente com o Conselho Superior do Ministério Público do Brasil, a Universidade de Coimbra volta a ser escolhida para a prestigiosa responsabilidade de contribuir para a formação dos atores decisivos na consolidação do Estado de Direito no mundo lusófono”, salientou.

O vice-reitor sublinhou que “não é por acaso que esta é a melhor Faculdade de Direito de Portugal e uma das 200 melhores do mundo”, e que a escolha da UC para estes e outros acordos de cooperação “são o melhor reconhecimento” da sua qualidade.

Não significa, no entanto, que a UC possa deixar de continuar a trabalhar para a sua internacionalização, designadamente atraindo “mais e mais estudantes” estrangeiros.

“Não podemos viver à sombra dos 730 anos” que a UC completará a 1 de março do próximo ano, concluiu João Nuno Calvão da Silva.

“A UC projeta a criação de um centro de estudo chineses e outro de estudos indianos, e perspetiva introduzir o inglês na ministração de diversos cursos – mas sem prejuízo do português, que é e continuará a ser sempre a “marca de água” da mais antiga Universidade portuguesa”, exemplificou.

 


Etiquetas
Partilhar

NOTÍCIAS RELACIONADAS
OPINIÃO
Os efeitos do medo do coronavírus...
Daniel Bastos
Historiador
Novo Coronavírus provoca epidemia com desfecho imprevisível
Alfredo Martins
Internista e Coordenador do NEDResp
InPortugal 2020 Paris quer desenvolver nova rede de embaixadores
Ricardo Simões
Diretor do InPortugal
DISCURSO DIRETO
A Fundação ISS e o apoio na África Lusófona
Eulalia Devesa, Diretora da Fundação ISS Mais Um Sorriso
PORTUGAL
«Cada vez faz menos sentido falar de emigração»
José Cesário, Deputado do PSD
PORTUGAL
O Projeto de Mobilidade na CPLP
Augusto Santos Silva, Ministro dos Negócios estrangeiros
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ