ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Bienal de Luanda arranca com olhos postos na resolução de conflitos em África
Revista PORT.COM • 19-Set-2019
Bienal de Luanda arranca com olhos postos na resolução de conflitos em África



Arrancou ontem, na capital angolana, a Bienal de Luanda - Fórum Pan-Africano para a Cultura de Paz, um evento que tem como destaque o tema da resolução de conflitos no continente africano.

Segundo o secretário de Estado da Cultura angolano, Aguinaldo Cristóvão, a resolução de conflitos “é um problema de todos os africanos”, e Angola pretende partilhar experiências e trazer contributos para este debate durante a Bienal de Luanda.

"Temos alguns problemas relacionados com conflitos, temos violência, mas estes problemas não podem ser vistos de modo estanque", disse Aguinaldo Cristóvão à agência Lusa, sublinhando que a resolução dos conflitos deve ser partilhada por todos os africanos.

O governante indicou que o Estado angolano "tem uma experiência em matéria de resolução de conflitos muito importante", que quer partilhar, e uma filosofia de apoio" aos outros países, tentando "encontrar mecanismos de desenvolvimento conjunto", tendo sido esta uma das razões para acolher a bienal.

A Bienal de Luanda - Fórum Pan-Africano resultou de uma decisão dos chefes de Estado da União Africana "que acharam que havia necessidade de promover um mecanismo, a nível do continente africano" que se centrasse numa abordagem sobre a não-violência e a resolução de conflitos com base no diálogo, recordou.

O desafio "foi assumido pela UNESCO", que formalizou em dezembro de 2018 um acordo com o executivo angolano para a realização da bienal em 2019 e 2021.

O Governo angolano investiu 512 mil dólares (cerca de 463 mil euros) no projeto e Aguinaldo Cristóvão está confiante no retorno da iniciativa, enfatizando a promoção da cultura angolana e do próprio turismo, "elementos muito fortes" e "com uma grande margem de sustentabilidade".

São esperados no evento 800 delegados de todo o mundo que se vão juntar a outros mil participantes nacionais, diretamente envolvidos na bienal, que vai decorrer no Memorial Agostinho Neto, na Fortaleza de São Miguel (Museu Nacional de História Militar) e no Centro de Convenções de Talatona até domingo, 22 de setembro.

Foram convidados 14 países e Portugal tem um pavilhão próprio, no Fórum das Culturas, e conta com uma exposição, promovida pela Fundação Calouste Gulbenkian, sobre o património histórico de origem portuguesa no mundo, que está patente no Museu Nacional de História Natural de Angola.

A bienal tem como focos temáticos a juventude, paz e segurança, a criatividade, empreendedorismo e inovação, num festival de culturas que inclui cinema, música, artes plásticas e visuais, teatro, dança, moda, design, banda desenhada, videojogos, poesia, literatura, tradição oral e artesanato.

 Foto: © Bienal de Luanda


Etiquetas
Partilhar

NOTÍCIAS RELACIONADAS
OPINIÃO
Macau: uma oportunidade ainda a descobrir
Alberto Carvalho Neto
Presidente da AJEPC
A importância da participação eleitoral nas comunidades
José Luís Carneiro
SECP
4 pilares para a prevenção de Alzheimer
George Perry
Diretor da Fac. de Ciências da Univ. do Texas
DISCURSO DIRETO
A preservação da memória e identidade da emigração portuguesa na toponímia
Daniel Bastos, Historiador
PORTUGAL
Portugal a votos
José Caria, Diretor-Adjunto da PORT.com
PORTUGAL
Lusos em Luanda
Jack Soifer, Consultor Internacional
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ